Mundo

Empresária republicana rouba cena em debate da ‘série B’ do partido

De figurino rosa reforçando a feminilidade ao lado de seis homens, na maioria, mais altos que ela, a empresária americana Carly Fiorina, 60, se destacou no debate dos pré-candidatos mais mal colocados realizado na quinta (6) pela Fox News.

A ex-executiva-chefe da empresa de tecnologia HP (Hewlett-Packard) estava confiante, não perdeu o ritmo e foi a autora da frase mais picante de um debate de poucos confrontos.

“Eu não recebi uma ligação do [ex-presidente] Bill Clinton antes de lançar minha candidatura. Alguém aqui recebeu?”, ironizou. “Talvez porque eu não tenha doado dinheiro para a Fundação Clinton e para campanha de sua mulher [Hillary] ao Senado.”

Em um debate cujos únicos alvos foram os líderes das disputas republicana, Donald Trump, e democrata, Hillary Clinton, Fiorina ainda ganhou um elogio de bandeja.

O ex-governador do Texas Rick Perry disse que “preferiria muito mais” tê-la negociando com o acordo nuclear com o Irã do que John Kerry, o atual secretário de Estado americano.

A ex-empresária afirmou que, em seu primeiro dia na Casa Branca, se eleita, telefonaria para o seu “amigo Bibi (Binyamin) Netanyahu”, primeiro-ministro de Israel, para “reassegurar” a aliança com os EUA.

O israelense afirmou, há um mês, que “o mundo será um lugar muito mais perigoso com o acordo”.

“Também telefonaria para o líder do supremo do Irã. Ele poderia não atender meu telefonema, mas receberia minha mensagem. Minha mensagem é essa: ‘Até que o senhor dê acesso a toda instalação militar, a qualquer hora, em qualquer lugar, para inspeções de verdade, faremos o possível para dificultar que você movimente dinheiro pelo sistema financeiro global’”, continuou Fiorina.

Nascida em Austin, Texas, Carly Fiorina tem 60 anos e nunca ocupou uma função política. Ela disputou uma cadeira no Senado em 2010 pela Califórnia, mas foi derrotada.

Durante a campanha, em 2009, ela lutou contra um câncer de mama e perdeu a enteada. Lori, que ela chama de filha, tinha problemas com álcool, medicação controlada e bulimia.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir