Economia

Emprego na indústria cai 5,2% no semestre, o maior corte em 14 anos

Sem sinais de retomada da produção e com os estoques elevados, a indústria brasileira realizou de janeiro a junho deste ano seu mais intenso corte de empregados em um semestre nos últimos 14 anos.

O emprego na indústria acumulou uma redução de 5,2% no primeiro semestre deste ano, frente ao mesmo período do ano passado, informou o IBGE na manhã desta quarta-feira (19).

Trata-se da maior queda da série histórica da Pesquisa Industrial Mensal: Emprego e Salário do IBGE, iniciada em 2001. O dado supera o primeiro semestre de 2009 (-5,1%), até então o pior resultado.

Todos os 18 ramos da indústria tiveram queda no acumulado do ano. O que mais pesou foi o ramo de meios de transporte (-9,9%), que inclui as montadoras de veículos, aviões e navios.

No início deste mês, o IBGE divulgou que a produção industrial teve queda de 6,3% no primeiro semestre deste ano, afetada pelo menor consumo da famílias, crédito escasso, juros altos, inflação elevada.

A Sondagem Industrial da CNI (Confederação Nacional da Indústria) mostrou que o uso da capacidade instalada do setor era de apenas 65% em junho passado, o menor da série iniciada em janeiro de 2011.

“Os cortes de empregos se mostram aderentes ao ritmo de produção. O ajuste no emprego tem sido assim bastante intenso, ligeiramente pior do que em 2009”, disse André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

O emprego na indústria recuou 1% na passagem de maio para junho, na série livre de efeitos sazonais (como o número de dias úteis de cada mês), a sexta queda consecutiva nessa comparação.

Quando comparado a junho do ano passado, o pessoal ocupado do setor recou 6,3%. Neste caso, trata-se da 45º resultado negativo consecutivo e a queda mais intensa desde setembro de 2009 (-6,1%).

Com os fracos resultados, o pessoal ocupado encolheu 4,6% nos últimos 12 meses. Vale lembrar que, nesta pesquisa da indústria, o IBGE não divulga números absolutos de empregos.

Setores

De janeiro a junho deste ano, a redução do pessoal ocupado na indústria ocorreu em todos os 18 ramos acompanhados pelo IBGE. Além de intensas, as perdas foram, portanto, também generalizadas.

Considerando o peso de cada ramo nos dados gerais da indústria, o principal destaque negativo foi o de meios de transporte (-9,9%), seguido de máquinas e aparelhos eletrônicos e de comunicação (-12,5%).

A redução do pessoal ocupado foi intensa em produtos de metal (-10,2%), alimentos e bebidas (-2,2%) e máquinas e equipamentos (-6,4%), segundo divulgou o IBGE nesta quarta-feira.

Para tentar conter as demissões, o governo lançou em julho o Programa de Proteção ao Emprego, que prevê a redução em até 30% da jornada de trabalho, com redução proporcional de salários dos trabalhadores, por no máximo um ano.

Renda

Com a inflação elevada, demissões e negociações salariais restritas, a folha de pagamento real do setor teve uma forte queda de 6,1% no primeiro semestre deste ano. Na passagem de maio para junho, o número foi positivo em 1,3% na comparação com maio.

Já o número de horas pagas teve queda de 5,8% no primeiro semestre, frente ao mesmo período do ano passado, o pior resultado da série. Na passagem de maio para junho, houve recuo de 0,6%.

O indicador de horas pagas é relevante porque, antes de contratar mais funcionários, as empresas costumam primeiro ampliar o número de horas extras da atual base de funcionário. Quando o indicador recua, portanto, é um sinal negativo para o setor.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir