Política

Em reunião com Sandra Braga, Antaq diz que está monitorando Porto de Manaus

Tokarski apresentou à senadora o projeto para construção do porto da Manaus Moderna, Dnit, ao custo final de R$ 170 milhões - foto: divulgação

Tokarski apresentou à senadora o projeto para construção do porto da Manaus Moderna, pelo Dnit, ao custo final de R$ 170 milhões – foto: divulgação

Em reunião com o diretor da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Adalberto Tokarski, nesta terça-feira (23) a senadora Sandra Braga questionou sobre o que o órgão pode fazer para melhorar o atendimento aos usuários no Porto de Manaus.

“Infelizmente os mais prejudicados com esse descaso é a população, tanto de Manaus, quanto do interior e de outros estados que chegam à capital e desembarcam ali”, resumiu a senadora.

O diretor da Antaq respondeu que o órgão está monitorando a situação, buscando um acordo com a administração do Porto visando à melhoria no atendimento.

“Se a Antaq colocar uma mão forte na fiscalização, o Porto deixará de funcionar e acreditamos que isso vai ser pior para a população do estado. Por isso, estamos fazendo essa interlocução com a administração e com o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes)”, disse.

Porto da Manaus Moderna

Na reunião, Tokarski apresentou à senadora o projeto para construção do porto da Manaus Moderna, elaborado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), ao custo final de R$ 170 milhões. O diretor informou que o projeto já está com a Secretaria de Portos.

“Acreditamos que pela importância do transporte fluvial no estado do Amazonas, a construção desse porto melhoraria a vida de usuários, trabalhadores e empresas de transporte que dependem dele. Também defendemos que o Porto de São Raimundo, já pronto, seja efetivamente utilizado no transporte do estado”, explicou Tokarski.

A senadora Sandra Braga disse que levará essa demanda ao ministro da Secretaria de Portos, Edinho Araújo. “Sem dúvidas, a construção do Porto da Manaus Moderna é vital para o estado e vamos mostrar isso ao ministro”, enfatizou.

Pesquisa

Três embarcações do Amazonas, que operam a linha Manaus-Tabatinga, tiveram o melhor desempenho em estudo realizado pela Antaq. A “Pesquisa de Satisfação dos Usuários dos Serviços de Transporte de Passageiros e Misto (Passageiros e Cargas) na Navegação Interior de Percurso Longitudinal Interestadual e Internacional” foi apresentada à Sandra Braga por Adalberto Tokarski.

As embarcações Oliveira V, Itapuranga III e Dona Elba Cabral receberam a melhor avaliação entre 80 presentes na pesquisa que ouviu 14.703 usuários da região amazônica. Segundo Tokarski, o estudo vai embasar as ações de fiscalização nas linhas interestaduais, internacionais e de fronteira, que estão sob a responsabilidade da Antaq.

“Nossa intenção com a pesquisa é melhorar os mecanismos de fiscalização e, consequentemente, melhorar o serviço prestado aos usuários do transporte fluvial na Amazônia”, disse, acrescentando que a Agência não tem gerência sobre o transporte dentro dos estados e por isso a avaliação se restringiu às embarcações que atuam no transporte interestadual.

 

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir