Eleições 2016

Em primeiro debate de TV, prefeituravéis de Manaus miram na atual administração

 Primeiro debate na televisão reuniu num confronto morno os candidatos Hissa Abrahão, Henrique Oliveira, Silas Câmara, Marcelo Ramos, Serafim Corrêa e José Ricardo, durante mais de duas horas, ontem à noite – foto: Diego Janatã

Primeiro debate na televisão reuniu num confronto morno os candidatos Hissa Abrahão, Henrique Oliveira, Silas Câmara, Marcelo Ramos, Serafim Corrêa e José Ricardo, durante mais de duas horas, ontem à noite – foto: Diego Janatã

Com mais de duas horas de duração, o primeiro debate eleitoral entre os candidatos a prefeito de Manaus, realizado ontem à noite pela Band Manaus, apresentou candidatos com poucas propostas, questionamentos fracos e até mesmo ataques tímidos. O principal alvo, o prefeito Arthur Neto (PSDB), candidato à reeleição, não compareceu ao confronto televisivo.

O debate, previsto para sete candidatos, contou apenas com seis participantes. O mais esperado, Arthur Neto, não participou devido à agenda adminsitrativa que teve que cumprir em Brasília. Sua assessoria informou, na manhã de ontem, que o prefeito já tinha compromisso agendado há meses com o ministro das Cidades, Bruno Araújo, para tratar de projetos para o município.

O primeiro a chegar no local foi o deputado estadual Serafim Corrêa (PSB), em seguida Hissa Abrahão (PDT), depois Marcelo Ramos (PR), José Ricardo (PT), Henrique Oliveira e, por último, o deputado federal Silas Câmara (PRB).

Diferente dos anos anteriores, o debate foi realizado com os candidatos sentados, e só se posicionaram nos dois púlpitos após o sorteio e escolha do adversário, conforme as regras estabelecidas.

No primeiro bloco, em que os candidatos fizeram as suas primeiras declarações, eles responderam a perguntas diversas, entre elas se estavam preparados para assumir o cargo de Executivo. Como de costume, todos declararam que sim, justificando as experiências no poder político e nenhum envolvimento em escândalos nacionais.  No segundo bloco, o destaque foi o candidato Henrique Oliveira, que, em sua fala, relembrou ao oponente, Hissa Abrahão, o fato de ele ter sido vice-prefeito de Arthur Neto, mas ter sido demitido em público, por meio de uma emissora de rádio. Rebatendo, Hissa criticou a atitude do adversário e afirmou que não “precisava humilhar”.

Propostas?

Entre um bloco e outro, Hissa Abrahão apresentou suas propostas para o transporte público de Manaus e, em seguida, direcionou suas críticas para o segundo colocado na pesquisa Tiradentes/EM TEMPO, Marcelo Ramos, no período em que o ex-deputado foi superintendente municipal de Transporte Público, na gestão do ex-prefeito Serafim Corrêa – que também é candidato a prefeito e estava presente ao debate.

No penúltimo bloco, os ex-colegas de parlamento, Marcelo Ramos e José Ricardo, chegaram a adotar uma espécie de “discurso único”, quando criticaram as promessas de campanha de Arthur Neto em 2012, em que afirmava que iria construir seis creches municipais, mas que a quatro meses de finalizar o mandato não conseguiu cumprir nenhuma promessa.
Além de Arthur Neto, outros dois candidatos não participaram por impedimento legal: o deputado Luiz Castro (Rede) e o Professor Queiroz (Psol), uma vez que seus partidos possuem menos de dez assentos na Câmara Federal.

Sem telão, militantes se dispersam

A ausência de telão na área externa da sede da TV Band Manaus, na avenida André Araújo, Aleixo, Zona Sul, dispersou os militantes das coligações, que estavam ontem à noite na emissora para receber os candidatos à Prefeitura de Manaus e acompanhar o primeiro debate eleitoral televisivo.

A receptividade foi modesta e contou apenas com a participação dos militantes de José Ricardo (PT), Marcelo Ramos (PR) e Silas Câmara (PRB). Mas, somente a equipe de Ramos permaneceu do começo ao fim do debate.

Para receber seus candidatos, palavras de ordem em coro eram proferidos de modo entusiástico. Fogos de artifício também foram utilizados para animar o momento.

Na ocasião, o repórter fotográfico do jornal Amazonas EM TEMPO, Diego Janatã, foi atingido acidentalmente por fagulhas de um fogo de artifício lançado por um militante da coligação “Pra Manaus Ficar”, que tem como candidato a prefeito o deputado federal Silas Câmara,  que não quis se identificar e nem falar com a imprensa.

Antes do ocorrido, o mesmo militante quase atingiu com fagulhas a pedagoga Lucileide Delfino, que estava entre os militantes de José Ricardo. “Nós estávamos bandeirando e quando eles chegaram (equipe do candidato Silas Câmara), falaram que iriam ficar ali e começaram a soltar os fogos”, disse. Após ter a amiga quase atingida, a estudante Vanessa Oliveira tentou defendê-la e afirma que foi insultada. “Fui defendê-la e ele veio para cima de mim, falando palavras de baixo calão. Quando ela reclamou, ele deu um tapa na cara dela, a ponto de o rosto dela virar”, contou.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir