Dia a dia

Em Manaus, mostra apresenta jogos criados por estudantes

De acordo com o professor Júlio Coelho, o projeto consegue desenvolver diversas habilidades nos estudantes, incentivando suas capacidades de criação - foto: Diego Janatã

De acordo com o professor Júlio Coelho, o projeto consegue desenvolver diversas habilidades nos estudantes, incentivando suas capacidades de criação – foto: Diego Janatã

Usando criatividade e muita inovação, estudantes da Escola Estadual de Tempo Integral Senador Petrônio Portella, situada no bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste, conseguiram desenvolver no laboratório de informática, mais de dez tipos de jogos eletrônicos, que foram apresentados na manhã de ontem, na 2º Mostra de Games.

Conforme o professor de informática, Júlio Coelho, a ação é parte das atividades do Programa Estratégico de Indução à Formação de Recursos Humanos em Tecnologia da Informação (RH-TI), financiado pelo Governo do Estado e coordenado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

“O objetivo do projeto é estimular os alunos para a carreira da tecnologia da informação. Essa é nossa segunda mostra de games, que vem com um pouco mais de experiência, um pouco mais melhorada. Isso é um exercício que a gente pretende fazer sempre a cada turma, para cada vez mais ir melhorando, e quem sabe mais pra frente fazer um evento que consiga abranger muito mais a sociedade”, disse.

Segundo Júlio, participam do projeto cerca de 34 alunos, que demonstram ter aptidão para a área de tecnologia da informação. Ele explicou, que os jogos eletrônicos apresentados na mostra, foram desenvolvidos com material alternativo e podem auxiliar no aprendizado em sala de aula. “Nós não somos um curso técnico, então não ensinamos linguagens de programação nenhuma. O que a gente estimula é lançar a ideia de que eles tem que ser criativos, procurar alternativas para criar jogos. Tendo a ideia a gente busca meio para realizar, então as plataformas que eles usam são variadas, são tudo aquilo que eles encontram de alternativas. Eles conseguem desenvolvo jogos que parecem de plataforma feita para games,mas na verdade, algumas são desenvolvidas no PowerPoint”, destacou.

De acordo com Júlio Coelho o projeto consegue desenvolver diversas habilidades nos estudantes, fazendo com que eles passem a ser criativos e inovadores. Além de descobrir seus próprios talentos. “Um dos jogos que trata da temática dos pets. Isso já é uma continuidade de outra atividade que fizemos anteriormente, que era a confecção de pranchas de surf a partir de garrafa pet, para a pratica do esporte, mas visando a questão ambiental. E o game vem para complementar essa temática, dá uma abordagem completamente diferente.  Antes foi a prancha e agora estamos partindo para um game, que atinge muito mais os adolescentes e ajuda a despertar a consciência ambiental através dos jogos”, explicou.

A estudante Jéssica Dantas, 17, esteve presente na mostra de games e apresentou um jogo de perguntas e respostas, desenvolvido em apenas 2h.  Para elaborar o game, ela contou com o apoio de mais dois colegas. “Desenvolvi um jogo de perguntas e respostas para pessoas que gostam do filme Harry Potter. Levei duas horas para desenvolver o jogo. É um jogo fácil, mas também criei outros que levaram um pouco mais de tempo e por isso são mais difíceis. Há um ano participo do projeto e gosto do que faço, porque aqui, um apoia o outro e estamos crescendo nesse projeto juntos”, comentou.

Por Michelle Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir