Sem categoria

Em Manaus, áreas do Prosamim se encontram em estado de abandono

No Parque Residência Manaus, moradores ouvidos pelo EM TEMPO dizem viver com medo - foto: Márcio Melo

No Parque Residência Manaus, moradores ouvidos pelo EM TEMPO dizem viver com medo – foto: Márcio Melo

Concebido para servir de modelo de urbanização em áreas de ocupação no leito dos igarapés, o Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim) dá sinais de abandono. Os conjuntos de apartamentos, antes referência de organização arquitetônica de espaços, agora apresentam indícios de degradação.

Na área conhecida como “Sapolândia”, no bairro Alvorada, Zona Oeste, e no Parque Residencial Manaus, no Centro, as praças e quadras esportivas estão sem iluminação e esburacadas, além das estruturas de ferro comprometidas. O lixo se acumula, o mato cresce nas calçadas e os moradores se queixam da falta de segurança.

A dona de casa Cleidilene Ferreira, 47, diz que pelo menos uma vez por mês a Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) passa no local e retira o lixo acumulado. “Já teve um tempo que tivemos que pagar para que a área fosse capinada e o lixo retirado. Eu acredito que se a prefeitura enviasse mais de uma vez no mês o serviço de limpeza pública, a situação seria melhor. Mas, como isso não acontece, o igarapé e a praça ficam assim, cheios de mato e lixo”, declara, apontando para o igarapé.

Morador do Alvorada há 8 anos, Júlio da Silva, 27, reclama da falta de manutenção na iluminação. Segundo ele, há pelo menos cinco meses as lâmpadas estão queimadas e à noite o local fica muito escuro. “É complicado, porque a gente tem que ficar andando na rua escura, não consegue enxergar algum buraco, pedra ou objetos cortantes e pode acabar se machucando”, observa.

Também morador da área, André Souza Bezerra, 39, chama a atenção para o fato de que as lâmpadas eram novas, mas foram furtadas junto com os fios. Ele conta que os moradores já teriam entrado em contato com a prefeitura para resolver a situação, mas não tiveram retorno. “As lâmpadas estavam todas certinhas, não tinham defeito nenhum. Mas, devido a esse problema de furto, a gente acabou ficado às escuras”, salienta.

A falta de segurança é outra queixa dos moradores. Eles alegam que as viaturas da Polícia Militar não passam mais com frequência no local. “A gente não gosta muito de falar sobre isso, porque tem sempre alguém que acaba descobrindo quem fez a denúncia. Então, a gente prefere fingir que não está acontecendo nada. Aqui na área tem bastante assalto e algumas pessoas que vendem droga descaradamente”, informa uma moradora, que prefere não se identificar, por temer represálias.

Tráfico

No Parque Residência Manaus, moradores ouvidos pelo EM TEMPO dizem viver com medo. Alegam que o tráfico de drogas corre livremente no local. Os moradores falam receosos sobre o assunto, mas preferem não se identificar.

“Aqui, o trabalhador tem que ficar calado, não pode falar nada porque tem sempre alguém que conta para os vendedores de drogas o que estamos falando ou pensando em fazer. Gostaria que a polícia passasse mais vezes por aqui e tomasse uma providência”, disse uma moradora, que preferiu o anonimato.

A aposentada Araci Vieira da Costa, 70, reclama apenas da sujeira nas ruas. O local é bom para morar, mas tem muito lixo, o que deixa a área com um aspecto desagradável. “Antes eu mesma limpava aqui perto de casa, mas agora estou doente eu não tenho mais forças. Às vezes, eu pago alguém para fazer esse trabalho, já que a limpeza pública não vem sempre por aqui”, comenta.

Providências

A Casa Civil do governo do Estado informou que uma equipe da Unidade Gestora de Abastecimento de Energia Elétrica (UGPM- Energia) irá, esta semana, verificar a iluminação pública do Prosamim/Alvorada. A manutenção será feita assim que for detectado o problema.

A reportagem entrou em contato com a Polícia Militar e com a Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) sobre a falta de patrulhamento e o acúmulo o lixo, respectivamente, mas não obteve resposta.

Por Michelle Freitas

1 Comment

1 Comment

  1. Francisco Batista ( Batista do 40 )

    29 de novembro de 2015 at 16:09

    BOA TARDE: A COMUNIDADE DO QUARENTA PEDE DAS AUTORIDADES DO TRANSITO QUE CRIASSE UMAS LOMBADAS NAS VIAS DO NOVO PROSAMIM DO ATERRO DO 40, POIS TEMOS UM COLEGIO AONDE OS ALUNOS FAZEM AS TRAVESSIAS PARA A ESCOLA E PRINCIPAMENTES OS MOTOQUEROS NÃO RESPEITAM OS PEDESTRE. INCLUSIVE ATÉ FAZEM PEGA DE MOTO. INCLUSIVE JA TIVEMOS ACIDENTES COM AS PESSOAS QUE UTILIZAM A TRAVESSIA. GOSTARIAMOS DA ESTA EDIÇÃO DO JORNAL EM TEMPO NOS AJUDASSE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir