Dia a dia

Em Manaus, 224 pessoas morreram em acidentes de trânsito entre janeiro e setembro deste ano

Até o início da manhã desta quarta-feira (22), foram registrados 224 vítimas fatais por acidentes de trânsito em Manaus, o que corresponde a quase 62% do total registrado durante todo o ano de 2015, quando os números apontaram 363 mortes pelo mesmo motivo. Os dados são do Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran-AM) e foram divulgados durante o seminário sobre segurança no trânsito, que aconteceu no auditório Belarmino Lins, na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam). O órgão também indica que a faixa etária correspondente entre 18 e 25 anos é a que mais apresenta vítimas da violência no trânsito.

O diretor-presidente do Detran-AM, Leonel Feitoza, destacou que muitos dos jovens que sofrem acidente no trânsito não possuem a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), excedem a velocidade, dirigem sob efeito de álcool e utilizam aparelhos de telefone celular ao volante. “Há algum tempo nos estamos tentando conscientizar os condutores de Manaus e, por isso, a importância desse seminário, que vem para colaborar com tudo que nos falamos e pregamos. Enquanto não houver a conscientização do motorista, infelizmente nós teremos todos os dias acidentes e tragédias no trânsito”, disse.

Leonel ressaltou que é importante que os pais não deixem os filhos que não são habilitados pegarem no veículo para dirigir nas ruas da cidade. Ele destacou que um levantamento feito pelo Detran-AM apontou que muitos jovens dirigem na cidade de Manaus, principalmente no horário da manhã, sem possuir CNH e ainda com a permissão dos pais. “É muito grande o número de jovens sem carteira de habilitação, mas o detalhe muito importante é que a grande maioria dirige com a permissão dos pais, poucas pessoas sabem que o horário que mais flagramos jovens de menor dirigindo sem habilitação é de manhã cedo. Porque muitos estudam de manhã e os pais não querem levar para a escola e entregam a chave para o menor ir para escola. Então se não tivermos a ajuda dos pais, da família, infelizmente não iremos conseguir chegar a lugar nenhum, porque a base de toda a sociedade é a família”, comentou.

A educadora e especialista em educação para o trânsito, Kellem de Matos Ghiselli, esteve presente no seminário e abordou em uma palestra o tema ‘Avanços no processo de formação de condutores para primeira habilitação’.
“Hoje a gente tem muitos acidentes de trânsitos por pessoas que não tem habilitação, não tem formação necessária, a gente quer fazer essa modificação, ensinando os jovens desde cedo, nas escolas do ensino médio, a legislação de transito, a sinalização, entre outros. Porque ele precisa se conscientizar que pode causar acidente matar ou mesmo morrer”, destacou.

Kellem ressaltou que hoje o jovem é a maior preocupação no trânsito. Uma vez que em todo o Brasil, a grande maioria de acidentes e mortes no trânsito é causada por eles. “Acredito que, hoje, o jovem tem excesso de autoconfiança, se considera imortal e a imortalidade que eles acreditam ter é a falta de punição, devido à falta de leis mais rígidas e o álcool, contribuem para tantas irresponsabilidades no trânsito. Por isso a importância de debater e conscientizar esse público”, finalizou.

Por Michelle Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir