Esportes

Em jogo difícil, Suécia e Colômbia empatam na primeira partida das Olimpíadas na Arena

jogo

Em noite de torcida animada, as duas seleções fizeram um jogo difícil – fotos: Ricardo Oliveira

A Arena da Amazônia Vivaldo Lima estreou em grande estilo no Torneio de Futebol Olímpico. No primeiro jogo disputado no estádio pelas Olimpíadas do Rio de Janeiro, Suécia e Colômbia presentearam o torcedor que compareceu ao estádio com uma bela partida de futebol, que terminou empatada em 2 a 2. Para os suecos, marcaram Ishak e Ajdarevic, enquanto Gutierrez e Pabon anotaram os gols para os colombianos.


O resultado deixa as seleções empatadas em termos de pontuação no grupo B. Na próxima rodada, a seleção europeia encara os nigerianos, às 18h (de Manaus). A esquadra da Colômbia, por sua vez, defronta os japoneses, às 21h (de Manaus). Ambos os duelos serão disputados na Arena da Amazônia, no domingo (7). Eles marcam a despedida do futebol masculino dos Jogos Olímpicos da capital amazonense.

O jogo

jogo

Sem grandes emoções, o início da partida começou com as equipes se estudando. Com duas linhas de quatro e apenas Ajdarevic e Ishak a frente, os suecos usavam seu lateral-esquerdo, Konate, como válvula de escape. Já os colombianos, que entraram em campo no 4-3-3, apostaram na letalidade do trio de ataque formado por Pabon, Gutierrez e Borja.

A primeira grande chance do duelo só apareceu aos 12 minutos de jogo e foi da Colômbia. Após bom lançamento de Pabon pela esquerda, Gutierrez se enroscou com o zagueiro e a bola sobrou para Roa, que esperou ela quicar no gramado para soltar a bomba. Com a pontinha dos dedos, Linde desviou para escanteio.
Quatro minutos depois, os colombianos balançaram a rede da Arena da Amazônia Vivaldo Lima pela primeira vez nas Olimpíadas. Livre de marcação no meio-campo, Pabon achou Gutierrez livre de marcação na direita. Com espaço, o camisa 10 avançou, invadiu a área e tocou na saída de Linde, fazendo a festa da torcida no estádio.

O gol abateu os suecos e encheram os colombianos de confiança. Com seu trio de atacantes, os sul-americanos apertavam a saída de bola do time europeu, que pouco criava em campo.

Sempre caindo pela esquerda, aos 23 minutos, Pabon recebeu bola na intermediária, ajeitou para o pé direito e chutou forte, rasteiro, sem dificuldades para a defesa de Linde, que apenas caiu no meio do gol para ficar com ela.

Após o susto do gol tomado, a Suécia chegou com perigo pela primeira vez aos 26 minutos. Após a defesa colombiana afastar mal a bola, Khalili arriscou de longe, Bonilla espalmou para o meio da grande área. Ishak chegou para empatar, mas a zaga afastou para escanteio. Na cobrança, Khalili levantou na área e Nilsson cabeceou fraco, nas mãos de Bonilla.

jogo1

O lance animou os suecos, que passaram a manter a posse de bola e trocar passes em busca de espaços na defesa adversária. Aos 32, porém, os colombianos voltaram a ameaçar novamente. Em rápido contra-ataque, Borja achou Pabon na direita. O atacante puxou para o meio e mandou uma bomba. A bola explodiu no peito de Linde e a zaga afastou o perigo.

A vantagem no placar fez os colombianos mudarem de postura. Se antes apertavam a saída de bola rival, passaram a esperar a Suécia no campo de defesa a procura de contragolpes, o que custou caro aos sul-americanos, que viram os suecos empatarem aos 42 minutos, quando Quaison passou a bola para Ishak e ele, próximo a meia lua da grande área colombiana, ajeitou o corpo e chutou o ângulo direito de Bonilla, que, mal posicionado, pulou, mas não alcançou a pelota.
Dois minutos depois, a Colômbia respondeu com Borja. Ele recebeu passe de Gutierrez na grande área, chutou e a bola desviou no zagueiro e Linde espalmou para escanteio

Diferentemente da primeira etapa, os suecos iniciaram o segundo tempo assustando a Colômbia. Logo aos 10 minutos, o capitão Ajdarevic tentou cruzar da direita e a bola quase encobriu Bonilla, que teve de se esticar todo para colocar para escanteio. Na jogada, o arqueiro sul-americano acabou colidindo com a trave e a partida teve de ser interrompida para o atendimento dele.

E a noite parecia mesmo não ser de Bonilla. Aos 16 minutos, Quaison recebeu na intermediária, avançou sem marcação e mandou uma bomba, de longe. O camisa 1 da Colômbia espalmou para o meio da área e viu Ajdarevic apenas empurrar para o fundo do gol e virar o jogo para os suecos.

Atrás no placar, a Colômbia foi obrigada a partir para cima. Cinco minutos após tomar a virada, Pabon voltou a “dialogar” com Gutierrez, que chegou até a linha de fundo e achou Preciado na marca do pênalti, livre de marcação. O atacante, sem estar equilibrado, pegou mal na bola e chutou longe da meta sueca.
Aos 28 minutos, em cruzamento despretensioso para a área dos europeus, Nilsson acabou tocando a bola com a mão e o árbitro marcou pênalti. Melhor em campo pelo lado colombiano, Pabon cobrou firme, no canto direito de Linde, que não alcançou a pelota e deu números finais a partida.

Suécia: Linde, Lundqvist, Milosevic, Nilsson e Konate;, Khalili, Tibbling e Fransson; Quaison (Sema), Ajdarevic e Ishak (Tankovic). Téc: Hakan Ericson.

Colômbia: Bonilla, Tesillo, Balanta, Machado e Palácios; Pabon, Teo Gutierrez e Perez; Borja (Preciado), Perez e Barrios. Téc: Luis Hurtado.

Por André Tobias

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir