Cultura

Em Borba, estudantes da rede estadual desenvolvem pesquisa acerca das etnias Saterê-Mawé, Mura e Munduruku

Os alunos estão realizando pesquisas conhecendo de forma apurada as características das etnias indígenas Saterê-Mawé, Mura e Munduruku - Foto:  Divulgação

Os alunos realizam pesquisas conhecendo de forma apurada as características das etnias indígenas Saterê-Mawé, Mura e Munduruku – Foto: Divulgação

Em Borba, (município a 151 quilômetros de Manaus), os estudantes de ensino fundamental da escola estadual Balbina Mestrinho participam de um projeto diferenciado e interdisciplinar que é desenvolvido nas disciplinas de História e Artes. Na escola e em atividades extraclasses, os alunos da instituição estão realizando pesquisas conhecendo de forma apurada as características das etnias indígenas Saterê-Mawé, Mura e Munduruku.

O projeto, com o título ‘Cultura indígena dos povos Mundurukus, Saterê-Mawé e Muras no município de Borba’ é aplicado junto a estudantes matriculados entre o 6º ao 9º ano do ensino fundamental. Neste ano, a escola projeta a participação direta de 730 alunos nos trabalhos previstos.

Nas oficinas de aprendizagem e também nas mostras culturais promovidas, os estudantes são instruídos a realizar pesquisas sobre a culinária, a literatura, as tradições, as formas de artesanato, as moradias, linguagem, mitos e manifestações culturais das etnias indígenas elencadas.

Conforme o professor e coordenador do projeto, Marcus Aurélio de Souza Valente, as atividades propostas têm fundamentação pedagógica e são eficazes para aprimorar o conhecimento dos alunos acerca das etnias regionais, especialmente às que estão ligadas mais fortemente à formação da população do município de Borba. “É um trabalho de aquisição de conhecimento e de valorização da identidade regional. Com o projeto as crianças e os adolescentes são motivados a pesquisar sobre a cultura dos povos indígenas, sua influência na formação da população borbense e valorizar toda esta riqueza, que não pode passar despercebida”, explicou o professor.

A gestora da escola estadual Balbina Mestrinho, professora Telma Fonseca, acrescentou o caráter interdisciplinar do projeto – que fortalece o ensino de disciplinas como História e Artes – e falou que por meio dele é trabalhada também a valorização dos povos indígenas e o combate a qualquer possibilidade de discriminação. “É um trabalho de importância grandiosa, pois também mostra aos estudantes a importância do respeito e valorização da cultura regional. Percebemos, por exemplo, que os estudantes que residem na sede de nosso município passaram a valorizar e tratar com maior igualdade seus colegas que residem em áreas rurais de nossa localidade e que convivem no mesmo espaço escolar”, revelou.

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir