Economia

Eletrobras é proibida de aplicar recursos em hidrelétrica na Nicarágua

O TCU (Tribunal de Contas da União) proibiu a Eletrobras, estatal do setor elétrico, de colocar mais recursos em empresas das quais ela é sócia para a construção de uma hidrelétrica na Nicarágua.

A hidrelétrica de Tumarín geraria 223 MW e estava sendo construída em sociedade com a Construtora Queiroz Galvão. O custo do projeto era estimado em US$ 1,2 bilhão (R$ 4 bilhões).

Em decisão do plenário do tribunal, a empresa ainda será obrigada a se explicar sobre 15 indícios de irregularidades apontados no relatório que incluem ainda a outro projeto, a construção da hidrelétrica de Inambari, no Peru, de 2,6 mil MW, e estimada em US$ 4,8 bilhões (R$ 18 bilhões). Parte da energia gerada viria para o Brasil, mas as obras ainda não foram iniciadas.

No projeto nicaraguense, a Eletrobras já colocou US$ 38 milhões e estava autorizando o aporte de outros US$ 100 milhões. Para fazer a obra, os empreendedores contavam com um investimento de US$ 512 milhões do BNDES, dinheiro que nunca foi liberado.

Para o TCU, a Eletrobras assumiu riscos desvantajosos para ela no contrato, além de não garantir que as obras teriam preços compatíveis com o mercado.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir