Mundo

Egito condena três jornalistas de emissora de TV a três anos de prisão

Três jornalistas da emissora de TV Al Jazeera foram condenados no Egito a três anos de prisão sob acusação de divulgar notícias falsas e de trabalhar sem possuir permissão.

O veredito foi dado a Mohamed Fahmy, naturalizado canadense que desistiu da cidadania egípcia; Baher Mohamed, egípcio; e Peter Greste, um australiano que foi deportado em fevereiro.

O juiz Hassan Farid disse que os acusados, chamados pela imprensa local de “Célula Marriot” porque trabalhavam de um hotel desta rede, “não são jornalistas e nem membros do sindicato da imprensa” e transmitiram informações usando equipamento sem licença.

Inicialmente, os três haviam sido sentenciados a cumprir entre sete e dez anos de prisão sob acusações como espalhar mentiras para ajudar uma organização terrorista, em referência à Irmandade Muçulmana, retirada do poder pelos militares há dois anos.

Os três negaram todas as acusações, às quais chamaram de absurdas, e disseram que suas prisões são parte de uma ampla destruição da liberdade de expressão desde que o Exército depôs o presidente Mohamed Mursi, em 2013.

“Palavras realmente não fazem justiça”, disse Greste, um dos condenados. “Receber três anos de prisão é ultrajante. É apenas devastador para mim.”

A mulher de Fahmi, Marwua Fahmi, espera que o presidente do país, Abdul Fatah al Sisi, indulte seu marido. “Não há igualdade, esperamos que o presidente o indulte. Assim como fizeram com Greste. Eles lhe pediram que renunciasse à nacionalidade egípcia para enviá-lo ao Canadá, mas depois não cumpriram seu compromisso”, acrescentou, visivelmente emocionada.

Na sessão também esteve presente a advogada defensora dos direitos humanos Amal Clooney, esposa do ator americano George Clooney, e que defende Fahmi no processo.

A emissora Al Jazeera, com sede no Catar, condenou a decisão em comunicado de seu diretor geral, Mustafa Sawaq. “Este julgamento é um novo ataque contra a liberdade de imprensa, e um dia negro para a história do judiciário egípcio”, disse.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir