Sem categoria

Editora reúne 40 autores em coletânea onde o assunto é sexo

A participação é para maiores de 18 ano  - foto: reprodução

A participação é para maiores de 18 ano – foto: reprodução

Entre gemidos e sussurros, o gozo. O orgasmo põe um ponto final no sexo e, também, impõe um dilema aos casais: gera a sensação de quero mais ou se encerra tudo no “foi bom pra você?”. A Editora Empíreo, de São Paulo, está aberta a sugestões. Ou melhor, a textos que falem sobre os segredos de alcova. A coletânea, que terá 40 autores, será reunida no livro “Muito Prazer: um livro colaborativo sobre sexo”. Nas páginas, assim como na cama, vale exercitar a imaginação.

A publicação, pelo sistema de crowdfunding – financiamento coletivo –, é o terceiro projeto com a colaboração dos próprios autores e leitores. O primeiro, em 2014, foi “Desnamorados”, que reuniu 62 autores e 17 ilustradores que escreveram sobre o amor e desenharam suas impressões sobre o sentimento. O segundo, em 2015, foi “O Corvo: um livro colaborativo”, em homenagem ao poema “O Corvo”, de Edgar Allan Poe. Foram 60 textos escolhidos e 15 ilustrações.

“A ideia base é simples. As pessoas que investem previamente no livro são, em geral, as mesmas que comprariam a obra se ela fosse publicada de forma tradicional. O que acontece é uma simples inversão do processo”, diz o editor Filipe Larêdo. Por regra da plataforma, se a meta do financiamento não for alcançada o livro não é publicado e todos que contribuíram recebem de volta o valor investido. Os dois primeiros projetos foram um sucesso.

O tema picante estimula a libido, ou melhor, a fantasia. Mas, muita calma nessa hora. A intenção foi criar uma obra sobre aquilo que dá muito prazer, mas sem apelações. É livre a abordagem dos gêneros, entretanto o regulamento veta coisas como pedofilia, zoofilia, necrofilia, estupro e incesto. A participação é para maiores de 18 anos, obviamente. As experiências homossexuais estão liberadas.

Embora sexo lembre, de imediato, coito, suor, ejaculação, a “Muito prazer” quer ir além dos “finalmentes”. “O sexo pode receber vários tratamentos. Ele pode ser erótico sim, mas pode ser um drama, uma comédia ou até uma ficção científica e, claro, um texto de não-ficção. As abordagens são diversas. Vai do talento e criatividade do autor”, diz Larêdo.

Toques de fazer subir pelas paredes começam, portanto, pelo teclado do computador ou com o lápis e a caneta entre os dedos. Com a obra, a Empíreo quer abrir as pernas, isto é, as páginas ao debate e à diversidade de entendimentos sobre o sexo. “Diferente dos casos de amor, algumas histórias de sexo são sobre opções, sobre suor e carne, às vezes até sobre o egoísmo. Sexo fala da soma, subtração, multiplicação e divisão. Sexo discute o princípio da ação e reação; aborda, na pele, as leis da termodinâmica e da gravidade. Sexo é biologia, tem estrogênio, progesterona e testosterona”, comenta Larêdo.

Na seleção dos trabalhos, cinco serão de escritores convidados. Entre os ilustradores, três foram chamados a colaborar. Resta pouco mais de um mês para o encerramento do prazo. O material deve ser enviado ao site http://livromuitoprazer.com.br. Ao contrário do sexo, há tempo de sobra. Vá fundo no assunto. Assim como o orgasmo, escrever sobre sexo pode gerar aquela sensação de quero (ler) mais.

Por Cleber Oliveira

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir