Fonte: OpenWeather

    Economia


    Apesar da estabilidade econômica, inadimplência cresce em Manaus

    A taxa de devedores em Manaus está caindo lentamente, uma vez que o governo resolveu dividir o FGTS

    Para este ano, existe a possibilidade de que o Feirão Limpe seu Nome seja online | Foto: Michael Dantas/Arquivo

    Manaus -  O número de inadimplentes em Manaus pode diminuir no segundo semestre, por conta das taxas menores, inflação baixa, feirões e demissões estabilizadas. O manauense pode enfim se programar para colocar as contas em dia. Apesar da melhora, o crescimento de devedores no Estado cresceu em média 20%.

    Esse quantitativo é abaixo do nível nacional, de acordo com o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL-Manaus), Ralph Assayag.

     “Somos uma ilha, temos uma segmentação de indústria e agronegócios que nos dão uma estabilidade. No resto do país, as pessoas conseguem com facilidade sair de um estado para o outro, o que faz com que a taxa de inadimplência nesses lugares aumente. Aqui temos esse equilíbrio”, explicou Assayag.

    O presidente da CDL informou ainda que, a taxa de devedores em Manaus está caindo lentamente, uma vez que o governo resolveu dividir o Fundo de Garantia Do Tempo de Serviço (FGTS). O número cada vez menor de demissões também ajuda na diminuição da inadimplência. 

     A solução é ter cautela e seguir três passos fundamentais para não gerar mais dívidas
    A solução é ter cautela e seguir três passos fundamentais para não gerar mais dívidas | Foto: Michael Dantas/Arquivo


    “Em janeiro começamos com 4.0 e fechamos o mês de junho com 3.5. Além disso, as cobranças ficaram mais rígidas e os lojistas não estão liberando créditos. Eles estão mais atentos, consultando, examinando para não liberar aos inadimplentes”, avaliou.

    Para Assayag, essa atenção maior é uma boa prática, já que assegura que o consumidor não vai ficar com mais uma dívida que não pode pagar. Com isso, a pessoa primeiro limpa o nome, para depois conseguir comprar novamente. 

    Leia também: Norte possui o maior percentual de inadimplentes, aponta SPC

    No segundo semestre, a expectativa de novas contratações é alta por conta da chegada das festas de fim de ano. Isso faz com que o consumidor recupere a tranquilidade em pagar as contas e voltar a ter crédito.

    O percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas em atraso, e que permaneceram inadimplentes, aumentou 1,1 ponto percentual, se comparado a 2016, chegando a 10,2% na média de 2017. O patamar mais elevado desse indicador foi registrado no mês de setembro, quando atingiu 10,9% das famílias.

    Feirão Limpe Seu Nome

    Todos os anos, o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), em parceria com a CDL – Manaus, realiza nos meses de outubro e novembro, o Feirão Limpe Seu Nome. No ano passado foram mais de 40 mil pessoas que aproveitaram a oportunidade de renegociação para tirar a restrição do CPF.

    “Estamos confiantes, uma vez que o Feirão acontece nos meses em que o 13º salário do governo e da prefeitura, e em torno de 10% das empresas, são liberados. A gente acredita que já em agosto, a taxa de inadimplência caia um pouco mais. Em torno de 40% do recebimento será destinado ao pagamento de dívidas”, ressaltou o presidente da CDL – Manaus.

    Para este ano, existe a possibilidade de que o Feirão seja online. Um aplicativo para que o consumidor possa fazer as renegociações, sem sair de casa, direto do celular, está em fases de testes. O objetivo é evitar qualquer problema após o lançamento.

    "Outubro e novembro temos o Feirão Limpe seu Nome e esse ano estamos trabalhando para que o feirão seja online. Teremos um aplicativo, que está em fase de testes para que o consumidor consiga fazer suas renegociações de casa, em outubro. Será a primeira vez que teremos uma plataforma para o processo ser realizado digitalmente", relatou.

    Parte das famílias não está conseguindo pagar as principais contas do mês
    Parte das famílias não está conseguindo pagar as principais contas do mês | Foto: IONE MORENO


    A novidade, porém, ainda não está confirmada para este ano, uma vez que os testes ainda estão sendo realizados.

    “Estamos correndo contra o tempo para estar tudo pronto até o dia do lançamento. Porém, mesmo que a gente não consiga fazer online, o Feirão vai acontecer e a esperança é que o número de renegociações seja maior”, concluiu Ralph Assayag.

    A pedagoga Márcia Noronha foi uma das que aproveitou o Feirão e conseguiu sanar uma dívida de mais de R$ 1 mil, com uma loja de confecções.

    “Fiquei com a dívida após ficar desempregada. Recebi o e-mail do feirão e logo fui atrás para negociar. Eu consegui um desconto de 70% e recuperei o crédito. Essas feiras são ótimas para quem não tem como pagar a dívida toda”, disse.

    Para o economista Judah Torres, toda a situação difícil que a economia do país vem passando, aumenta o número de desemprego. Em consequência disso, há a elevação da  inadimplência. A solução é ter cautela e seguir três passos fundamentais para não gerar mais dívidas.

    “A alternativa é colocar todo o orçamento familiar na ponta do lápis, o que causa uma organização. A segunda opção é eliminar gastos supérfluos, nesse caso, a família tem que trabalhar em conjunto. Por fim, aproveitar as feiras de renegociação e, principalmente, buscar o estabelecimento que está devendo, para fazer uma negociação amigável. É necessário evitar uma possível judicialização da dívida, que pode acarretar problemas maiores. Com essas medidas, aos poucos, as contas vão se normalizando”, falou.

    Torres explicou que o período mais turbulento da economia do país já passou. “Estamos em um cenário de estabilização econômica, porém não estou otimista que a taxa de devedores caia, enquanto a taxa de desemprego continue na mesma”, concluiu.

    Leia mais

    Dólar abre em queda de 0,73%, cotado a R$ 3,8526

    Inscrições para Projovem Urbano encerram nesta sexta

    Uninorte oferece 400 bolsas de estudo para curso superior