Economia

Economia brasileira está há cinco trimestres sem crescer, diz IBGE

O resultado do Produto Interno Bruto do segundo trimestre de 2015, divulgado nesta sexta-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que a economia brasileira está há cinco trimestres consecutivos sem crescer.

De abril a junho de 2015, a soma das riquezas produzidas pelo Brasil caiu 1,9% em relação a janeiro, fevereiro e março, a maior queda desde o primeiro trimestre de 2009. Nos três primeiros meses deste ano, a economia caiu 0,7% em relação aos últimos meses de 2014.

O segundo semestre do ano passado foi marcado por taxas estáveis. No quarto trimestre, não houve variação do PIB e, no terceiro, a economia variou positivamente 0,1%, o que não é considerado crescimento pelo IBGE.

Já no segundo trimestre de 2014, houve uma queda de 1,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior, o último de crescimento da economia brasileira, que subiu 0,7%.

A coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca de La Rocque Palis, disse que todas as atividades econômicas foram afetadas. “O PIB é a medida síntese da economia. Existe uma deterioração de praticamente todos os indicadores econômicos”, destacou. “Existe uma turbulência política e indicadores econômicos fracos que estão tendo impacto importante sobre praticamente todas as atividades econômicas”, acrescentou.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o PIB caiu 2,6%, quinta retração seguida nos números trimestrais e também a mais intensa desde o primeiro trimestre de 2009.

Investimentos

O indicador que mede investimentos feitos pela economia brasileira também registrou queda, pelo oitavo trimestre seguido, no segundo trimestre de 2015. A Formação Bruta de Capital Fixo caiu 8,1% na comparação com o primeiro trimestre de 2015 e 11,9% em relação ao segundo trimestre de 2014. A retração registrada em relação a 2014 foi a maior da série histórica do IBGE, que começou no primeiro trimestre de 1996.

O resultado fez com que a taxa de investimentos caísse para 17,8% do PIB, contra 19,5% no ano anterior e 20,7% em 2013. A coordenadora de contas nacionais do IBGE, Rebeca de La Rocque Palis, explicou que a queda nos investimentos é influenciada por baixos índices de confiança, juros mais altos e crédito menos abundante. “Vários bens que são considerados investimentos são bens de um preço unitário elevado e que dependem de um financiamento”, disse.

Por Agência Brasil

1 Comment

1 Comment

  1. Wilton reis

    28 de agosto de 2015 at 14:10

    Dá para vcs publicarem todos os motivos, resumidamente, causadores desta crise no , neste,… Brasil????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir