Economia

Dólar cai 1,32%, mas fecha em alta pela quarta semana seguida

A moeda norte-americana está no menor nível desde o último dia 5 - foto: divulgação

A moeda norte-americana está no menor nível desde o último dia 5 – foto: divulgação

Um dia depois de bater recorde, a moeda norte-americana fechou com forte queda. O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (22) vendido a R$ 4,111, com queda de R$ 0,055 (1,32%). Apesar da queda de hoje, a cotação fechou em alta pela quarta semana consecutiva.

Ontem (21), o dólar tinha fechado em R$ 4,166, na maior cotação desde a criação do real, em 1994. Hoje, a moeda operou todo o dia em queda. A divisa acumula alta de 1,6% na semana e de 4,12% em 2016.

 

A alta do dólar ontem ocorreu após a decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) de manter a taxa Selic – juros básicos da economia – em 14,25% ao ano. Juros mais baixos deixam de atrair capitais financeiros para o país, pressionando para cima a cotação do dólar.

 

O dia também foi de recuperação na bolsa de valores. O índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, subiu 0,81% nesta sexta-feira, encerrando em 38.021 pontos. As ações da Petrobras, que ontem tiveram forte alta, recuaram levemente hoje.

 

Os papéis preferenciais, que dão preferência à distribuição de dividendos, fecharam em R$ 4,42, com alta de 1,78%. As ações ordinárias, que dão direito a voto na assembleia de acionistas, encerraram em R$ 6,24, com queda de 0,79%.

 

Diferentemente dos últimos dias, o mercado financeiro hoje foi beneficiado pelos fatores externos. Os preços do petróleo do tipo Brent tiveram forte alta e voltaram a fechar acima de US$ 30 por causa das ondas de frio nos Estados Unidos e na Europa, que deverão elevar o consumo de combustíveis no hemisfério norte.

 

Também contribuiu para melhoria dos mercados internacionais a declaração do presidente do Banco Central Europeu Mario Draghi, de que a instituição revisará a política em março. A declaração foi interpretada como indicação de que o órgão pode conceder novas injeções monetárias, depois de ter mantido os juros da zona do euro no menor nível da história.

 

Nas últimas semanas, o mercado global foi afetado pela desaceleração da economia chinesa, apesar de o governo do país ter anunciado a injeção de 600 bilhões de yuans na segunda maior economia do planeta. No ano passado, o país asiático cresceu 6,9%, a menor expansão dos últimos 25 anos.

 

A instabilidade na economia chinesa afeta países exportadores de commodities – matérias-primas com cotação internacional – como o Brasil. A redução da demanda por produtos como ferro e soja barateia as exportações brasileiras. Com menos dólares do comércio internacional entrando no país, a cotação sobe.

 

Por Agencia Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir