Esportes

Dodô joga a toalha e diz “adeus” ao Rio Negro

 

A saída do técnico seria por conta das dificuldades com transporte, equipamentos esportivos e suplementos – foto: Marcio Melo

A saída do técnico seria por conta das dificuldades com transporte, equipamentos esportivos e suplementos – foto: Marcio Melo

A esperança do centenário Rio Negro de conquistar o primeiro lugar do pódio no Campeonato Amazonense aumentou após a chegada de  Ricardo Lucas Figueiredo Monte Raso, o Dodô, na parte técnica do clube. Mas a felicidade durou pouco, e, com menos de um mês, ele pediu para sair do clube alegando falta de equipamentos para treinamento e suplementação. Na manhã de desta quarta-feira (17), ele e o preparador físico Sandro Sargentim, se reuniram com a imprensa em um hotel onde se hospedavam para prestarem os últimos esclarecimentos antes de retornarem a São Paulo (SP).

Tudo começou com a aposentadoria de Dodô em outubro do ano passado. Conhecido por passar por clubes como São Paulo, Palmeiras, Botafogo, Fluminense, Goiás, Paraná e inclusive a Seleção Brasileira, muitos clubes demonstraram interesse em investir no ex-jogador para iniciar uma nova etapa na carreira esportiva, como técnico. Com a disponibilidade de Dodô, o Rio Negro mostrou interesse pelo ex-jogador e fechou contrato para o mesmo dar um novo passo na carreira como estreante do alvinegro.

Mas, os problemas surgiram logo após a sua chegada a Manaus, e Dodô não mediu palavras durante sua apresentação no dia 25 de julho, na sede do Rio Negro Clube, onde reclamou da falta de suplementação e logística.

“Sei que tenho uma longa jornada pela frente, e que ainda é cedo para falar de conquistas, mas nada que não possamos fazer com o mínimo de recursos”, declarou Dodô, que chegou a comentar de problemas como falta de suplementos aos jogadores e logísticas com o campo de treinamento.

Dias depois, os problemas permaneceram, e, segundo Dodô até o ônibus que transportava os jogadores tinha péssimas qualidades. Esperançoso de que ainda poderiam haver mudanças, ele continuou, mas declara que deveria ter pedido para sair na primeira semana de trabalho, mas como sempre prometiam mudanças, ele ficou.

“Sempre fazíamos várias reuniões por dia e eles sempre prometiam que iam fazer algo para solucionar os problemas e nada era feito. O futebol estava sendo tomado totalmente por mim e pelo Sandro Sargentim (preparador físico). Eu estava sendo supervisor, presidente, fisioterapeuta e nem médico nós tínhamos! A água que bebíamos era da torneira e só tínhamos seis bolas”, declarou Dodô, indignado, com as condições do clube.

O ‘artilheiro dos gols bonitos’ ainda lembra que quando assumiu a tarefa, sabia que as condições não seriam de um grande clube, mas que precisaria pelo menos do básico para exercer suas atividades.

“Quando fui convidado para assumir a parte técnica do clube, sabia que a estrutura era básica, mas não constrangedora. Tínhamos um problema muito forte com a estrutura e na primeira semana de treinos nem água a gente tinha, sem falar dos problemas de campo e de a falta de jogadores que também foi um sufoco na época”.

Como se não fosse o bastante, Dodô ainda gastou R$ 1.500 do seu próprio bolso para investir no clube ao comprar equipamentos de treinamento funcional para os atletas, pois, segundo ele, nem isto tinha na sede do alvinegro.

Em conversa com a equipe do PÓDIO, Henrique Barbosa. que é sócio do Rio Negro e responsável pela Excellence Football, empresa responsável pela contratação de Dodô e do preparador físico Sandro Sargentim, nega todas as acusações do ex-Botafoguense e declara que tudo não passa de um bando de mentiras.

“Ele acha que o Rio Negro é como os times do Rio de Janeiro e São Paulo, mas estamos em Manaus e mesmo assim nunca nos faltou nada. Sempre tivemos água, frutas e equipamentos de treinamento. Temos 30 bolas, cones e balanças, tudo não passa de um bando de mentiras”, declarou.

Henrique Barbosa, após negar todas as acusações de Dodô, comentou sobre a contratação de um novo técnico para o clube, que deve ser anunciado amanhã (18) pelo clube.

“Estamos negociando com três nomes, e todos são ex-jogadores com passagens por grandes clubes e já iniciaram uma carreira como técnicos. Estamos trabalhando para ele ser anunciado o mais rápido possível e já inicie os trabalhos na segunda-feira”, declarou Henrique que se tornou polêmico devido as denúncias por atrasos de salários e pendencias trabalhistas que vem sofrendo pelo clube São Mateus – ES.

Por Wal Lima

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir