Economia

Dívida pública federal avança em agosto e chega a R$ 2,68 trilhões

A dívida pública federal, que inclui os endividamentos interno e externo do governo, segue a trajetória de crescimento. Em agosto, ela cresceu 3,16% na comparação com julho, atingindo R$ 2,686 trilhões. Os dados são do Tesouro Nacional.

O resultado considera a soma das dívidas contraídas pelo Tesouro com a venda de títulos públicos para financiar os déficits no orçamento. Em agosto, o Tesouro registrou emissão líquida de R$ 45,44 bilhões. Houve também acréscimo de R$ 36,89 bilhões da dívida em juros.

No mês passado, o Tesouro divulgou a ampliação do limite da dívida pública federal. A previsão inicial para o teto da dívida era de R$ 2,60 trilhões. O novo teto é de R$ 2,80 trilhões.

Considerando o estoque da dívida interna, houve aumento de 3,10%, somando R$ 2,551 trilhões em agosto. Já a dívida externa cresceu 4,35%, totalizando R$ 134,32 bilhões no período.

Na análise por detentores da dívida, as instituições financeiras permanecem com a maior parte dos papéis emitidos no mercado interno, com 25,48% do total de títulos. Em seguida estão os fundos de investimento, com 20,53%. A participação de fundos de previdência chegou a 20,11%, enquanto os investidores estrangeiros detêm 19,14% dos títulos públicos negociados no mercado interno.

Na composição da dívida interna, a parcela dos títulos com remuneração prefixada subiu de 42,93% para 43,26%. Já a participação de títulos indexados a índices de preços caiu de 34,72% para 33,67%. A participação de títulos remunerados por taxa flutuante passou de 21,71% para 22,40%.

Considerando o acumulado em 12 meses, o custo médio da dívida em títulos emitidos pelo Tesouro no mercado interno chegou a 13,53% ao ano, ante 13,26% em julho. No fim de 2014, o custo médio era de 11,51%.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir