Sem categoria

Disparada do dólar pode afetar investimentos na Zona Franca de Manaus

A aprovação dos investimentos está dentro da média de 40 projetos por pauta traçada pela Suframa – foto: Ione Moreno

A aprovação dos investimentos está dentro da média de 40 projetos por pauta traçada pela Suframa – foto: Ione Moreno

Mesmo com a cotação do dólar ameaçando o desenvolvimento da Zona Franca de Manaus (ZFM), o Conselho de Administração da Suframa (CAS) aprovou os 48 projetos industriais e de serviços pautados para a reunião realizada nesta quarta-feira (23) pelos seus integrantes.
Entre os projetos discutidos no encontro do CAS, os que estão ligados aos segmentos de duas rodas, naval e alimentício foram os de maiores destaques na reunião.

De acordo com a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), o pacote de novas ações contemplam investimentos totais de U$$ 267,7 milhões e fixos de U$$ 101,9 milhões, bem como a criação de 484 novos empregos. Dos 48 projetos aprovados, 17 são de implantação e 31 de atualização, diversificação ou ampliação.

O superintendente interino da Suframa, Gustavo Igreja, ressaltou que apesar da crise econômica instalada no país, a aprovação dos investimentos está dentro da média de 40 projetos por pauta traçada pela autarquia.

Na ocasião, Igreja destacou ainda que a maior preocupação no momento é com a alta da cotação da moeda norte-americana, que chegou quase a R$ 5, ontem, o que pode interferir no desempenho do Polo Industrial de Manaus (PIM).

“A cotação do dólar preocupa a Suframa porque esta alta vai ter duas vertentes, uma vez que vai encarecer a compra dos insumos e também vai encarecer os bens finais que competem com os produtos fabricados aqui em Manaus. Sempre escutamos que a média ideal do valor do dólar seria de R$ 2,80. Então, o valor de R$ 4 preocupa bastante a Zona Franca de Manaus”, destacou o superintendente interino da Suframa.

Aprovação
A empresa Cairu Componentes apresentou dois projetos para a fabricação, respectivamente, de bicicletas elétricas e bicicletas com câmbio, com previsão de mão de obra adicional de 29 empregos e investimentos totais de quase US$ 3 milhões.

A Eram Estaleiro Rio Amazonas, por sua vez, apresentou projeto para a construção de estruturas flutuantes. A iniciativa tem previsão de gerar 90 empregos diretos e concentra investimentos de US$ 3,2 milhões.

Fechando os destaques entre os projetos de implantações, a BR Flakers da Amazônia teve a proposição para a produção de alimentos à base de cereais analisada e aprovada, com a geração de 17 empregos e o investimento de US$ 120 mil.

No caso de projetos de diversificação, atualização e ampliação, os investimentos reforçam, principalmente, a base componentista do polo eletroeletrônico, com 218 empregos a serem gerados nesse segmento. Dois projetos ligados ao polo de duas rodas devem gerar 241 empregos e movimentar a economia com investimentos de mais de US$ 11 milhões.
Por Gerson Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir