Esportes

Diretoria quer vender Wallace, mas não vai aceitar exigências do jogador

O Rubro-negro vai aguardar propostas nos próximos dias para definir valores e o que fazer com Wallace - foto: divulgação

O Rubro-negro vai aguardar propostas nos próximos dias para definir valores e o que fazer com Wallace – foto: divulgação

Administrar a tumultuada relação entre torcida e Wallace era um problema para o Flamengo. Diretoria e comissão técnica optaram por dar moral ao jogador, mas o próprio se antecipou e pediu para deixar o clube antes da estreia no Campeonato Brasileiro. A atitude resolveu um impasse na Gávea. E, agora, tem a negociação com o Grêmio.

A administração do presidente Eduardo Bandeira de Mello quer aproveitar o “adeus” para vender Wallace. A diretoria avalia que não existe mais clima para que o defensor seja emprestado e retorne no próximo ano ao Flamengo. O certo é que na Gávea ele se transformou em persona non grata e a forma como deixou o clube dificulta qualquer exigência na negociação.

O problema é que Wallace conversou com o Grêmio em torno de um empréstimo até dezembro. O clube gaúcho arcaria com os salários. Assim, o negócio agrada ao time de Porto Alegre. O Flamengo não descarta que a transação seja realizada nestes moldes, mas quer negociá-lo em definitivo. Nem sequer o valor de venda está estipulado. O Rubro-negro vai aguardar propostas nos próximos dias para definir valores e o que fazer com Wallace.

Para o Grêmio, Wallace é um grande negócio de ocasião que pode resolver o problema crônico da zaga. Depois de não ficar com Erazo, que também trocou o Rio de Janeiro por Porto Alegre em 2015, o Grêmio já tentou três soluções.

Buscou Kadu e Fred, ex-Atlético-PR e Goiás, respectivamente, e até deu nova chance a Bressan. Nenhum deles correspondeu como o esperado.

Mesmo que tenha recursos para investir, o time gaúcho deve adotar procedimento cauteloso. Tal qual fez com Geromel, por exemplo. Empréstimo para ver o desempenho. Em caso de resposta técnica favorável, o investimento pode ser feito.

Com Erazo a regra foi aplicada, mas a pedida do equatoriano inviabilizou o negócio. Maicon, ex-São Paulo, é outro exemplo do modelo. Empréstimo, análise e compra posterior. Wallace, portanto, é a nova aposta para restabelecer a defesa montada por Roger Machado.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir