Esportes

Diretor queria volta de Hernane Brocador, mas dívida impede transação

A negociação ainda não é possível por conta da dívida do Al Nassr, da Arábia Saudita, clube que comprou o jogador em 2014 - foto: divulgação

A negociação ainda não é possível por conta da dívida do Al Nassr, da Arábia Saudita, clube que comprou o jogador em 2014 – foto: divulgação

O diretor do Flamengo Rodrigo Caetano revelou nesta segunda-feira (16), em encontro dos executivos de futebol na CBF (Confederação Brasileira de Futebol), que gostaria de contratar o atacante Hernane Brocador. Entretanto, a negociação ainda não é possível por conta da dívida do Al Nassr, da Arábia Saudita, clube que comprou o jogador em 2014 e jamais pagou por ele -4,5 milhões de euros (cerca de R$ 18 milhões). Com os juros, o Flamengo, que era detentor de 50% dos direitos econômicos, estima receber ao menos R$ 12 milhões.

Esse imbróglio está na Justiça e o Flamengo não pode contratar Hernane, pois perderia o direito de receber a quantia. E foi justamente esse o questionamento de Caetano ao diretor de registro da CBF, Reynaldo Buzzoni, que comentava sobre a situação dos frequentes calotes cometidos pelos árabes.

“Mas não há nada que possamos fazer? Eu gostaria de contratar o jogador [Hernane] e não posso”, revelou o dirigente do Flamengo.

Para piorar, como revelou o blogueiro Rodrigo Mattos, o Corinthians pagará cerca de US$ 3 milhões (pouco mais de R$ 10 milhões) ao Al Nassr, clube que deu calote no Flamengo, pela contratação de Marquinhos Gabriel. Essa foi a situação que gerou a pergunta do dirigente rubro-negro.

A resposta não foi nada animadora. “Infelizmente não há nada que possamos fazer. Conhecendo a forma como esses clubes árabes operam, vocês agora devem se resguardar de alguma forma”, finalizou Buzzoni.

O Flamengo aguarda a decisão sobre o “caso Hernane” para o próximo dia 27. A CAS (Corte Arbitral do Esporte) já o julgou, mas não divulgou o resultado. O valor está no orçamento previsto pelo Flamengo e o montante a receber será empenhado exclusivamente no departamento de futebol, seja para reforços, reforma do centro de treinamento do Ninho do Urubu, aparelhagem para fisiologia e fisioterapia ou quitação antecipada de empréstimos feitos para contratações.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir