Política

Dilma empurra o Brasil para o abismo, diz americano ‘Washington Post’

Presidenta Dilma reuniu sete ministros para avaliar os atos das manifestações desse final de semana – foto: divulgação

Presidenta Dilma reuniu sete ministros para avaliar os atos das manifestações desse final de semana – foto: divulgação

Assim como os ingleses “The Guardian” e “The Economist”, o jornal americano “Washington Post” defendeu, em editorial, a renúncia da presidente Dilma Rousseff.

“Dilma, cuja administração está paralisada por meses, poderia servir melhor ao seu país se ficasse de lado e permitisse ao seu vice-presidente formar um novo gabinete de coalizão”, diz trecho do texto. “Ao se entrincheirar, Dilma está empurrando o Brasil para a beira do abismo”.

No editorial, o jornal faz uma análise do momento político do país e diz que, com os protestos contra a corrupção e a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o ministério da Casa Civil, o “drama subiu para outro nível”.

“Por mais de um ano, a quinta maior nação do mundo tem sido atingida pela recessão e convulsionada por investigações sobre propinas envolvendo a empresa estatal de petróleo, maiores empresas de construção do país, e dezenas de políticos de alto escalão”, diz.

Segundo o editorial, até agora a remoção de Dilma do cargo parecia duvidosa e a acusação de manipular contas orçamentais, antes de sua reeleição, em 2014, dificilmente merecia impeachment. O cenário, no entanto, mudou e a “aparente tentativa de proteger Lula pode justificar a ação do Congresso”.

Outras Publicações

Nas últimas semanas, outras publicações internacionais relevantes trataram da saída da presidente Dilma do cargo.

No dia 20, o britânico “The Observer”, edição dominical do “The Guardian”, sugeriu a renúncia da presidente e destacou o risco de intervenção militar no caso de os protestos (pró e contra o impeachment) perderem o controle.

“O dever de Dilma é simples: se ela não pode restabelecer a calma, deve convocar novas eleições -ou sair”, disse a publicação.

Dias antes, um editorial do norte-americano “The New York Times” classificara a justificativa de Dilma para a nomeação de Lula como ministro-chefe da Casa Civil de “ridícula”.

Na semana passada, Dilma foi capa da edição para as Américas da revista britânica “The Economist”, com o título “Hora de Partir” (“Time to Go”).

O texto avaliava que, até recentemente, mesmo sob protestos, o governo Dilma tinha legitimidade intacta, e que a presidente podia dizer que tinha o desejo de ver a justiça ser feita -mas que, com a nomeação de Lula para o ministério, Dilma “rejeitou o que vestia de credibilidade”.

No começo do mês, o também britânico “Financial Times” elogiou em editorial a Operação Lava Jato e afirmou que a denúncia do Ministério Público contra o ex-presidente Lula reforça a ideia de que não há “intocáveis” no Brasil.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir