Política

Dilma conclui que não há espaço para todos os ministros do PMDB

A presidente Dilma Rousseff concluiu na noite desta quarta-feira (30) que não há espaço na nova reformulação do governo para acomodar os seis ministros peemedebistas que informaram à petista que pretendem seguir em seus cargos.

Em reunião com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente avaliou que boa parte deles terá de deixar as pastas para dar espaço a partidos como PP, PR e PSD.

Nas palavras de um assessor presidencial, nem a permanência do ministro da Saúde, Marcelo Castro, está garantida.

Nesta quarta-feira (30), o líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Leonardo Picciani (RJ), chegou a pedir ao Palácio que o ministro seja mantido na possibilidade de pelo menos 25 deputados federais do partido apoiarem Dilma contra a abertura do processo de impeachment.

O apelo, no entanto, não surtiu efeito. Pelo desenho esboçado na reunião, seriam mantidos apenas Kátia Abreu (Agricultura), Hélder Barbalho (Portos) e Celso Pansera (Ciência e Tecnologia). Perderiam seus postos Mauro Lopes (Aviação Civil), Eduardo Braga (Minas e Energia) e Marcelo Castro (Saúde).

Nas contas do Palácio, Dilma tem hoje 136 votos contra o impeachment e está em busca de pelo menos mais 40 para poder barrar o pedido de afastamento.

Nesse sentido, o governo ofereceu Saúde ao PP e Minas e Energia ao PR. Ao último, o Palácio também cogita entregar Turismo ou Aviação Civil.

PSD
Em relação ao PSD, de Gilberto Kassab, a intenção de Dilma é reabilitar como ministro Guilherme Afif Domingos, que preside atualmente o programa Bem Mais Simples Brasil. A pasta que será entregue, no entanto, não foi definida.

O governo pretende ainda atender a reivindicação da legenda e entregar cargos em empresas estatais atualmente ocupados por indicados por peemedebistas.

Apesar de incluir o partido nas mudanças administrativas, o Palácio tem dúvidas sobre a fidelidade do PSD em relação à votação do pedido de impeachment.

A intenção é anunciar até esta sexta (1º) a nova configuração, meta considerada improvável até mesmo por assessores e auxiliares da presidente.

Em defesa da estratégia do Palácio, o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, afirma que as trocas de cargos “ocorrem 365 dias por ano”. “Não existe espaço vazio na política”, disse à reportagem.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir