Economia

Dia das Crianças aquece vendas de artigos infantis em Manaus

Pais que deixaram para comprar presentes em cima da hora fizeram alegria dos lojistas em Manaus – foto: Márcio Melo

Pais que deixaram para comprar presentes em cima da hora fizeram alegria dos lojistas em Manaus – foto: Márcio Melo

Pais e mães que deixaram para comprar os presentes da criançada na ‘última hora’ fizeram a alegria dos comerciantes da capital amazonense que se animaram com as boas vendas nas vésperas do Dia das Crianças. Locais como o centro da cidade e os centros de compras da Grande Circular, na Zona Leste, tiveram um grande fluxo de clientes durante este domingo (11).

A universitária Elisiane Silva, 31, afirma que, por conta do tempo, só pôde comprar o presente para a sobrinha na véspera do Dia das Crianças. “Como estou me dividindo entre faculdade e estágio, não tive como procurar um presente com antecedência”, afirmou.

O local escolhido por Elisiane foi a barraquinha da “Dona Carmem”, que fica na avenida Eduardo Ribeiro. A ambulante Carmem Ruiz, 35, conta que neste ano precisou aumentar o preço dos produtos em R$ 2,00, segundo ela, por conta da alta no dólar. Mesmo com os brinquedos mais caros, a vendedora afirmou que muitos, a exemplo da universitária, deixaram para a última hora a escolha do presente dos pequenos.

Quem também é só alegria por conta do bom volume de vendas na véspera do dia das crianças é o comerciante Nayandro Magalhães, 20, que durante todo o ano trabalha como auxiliar de balcão, porém, em datas comemorativas, investe em brinquedos para ter uma renda extra. Segundo ele, mesmo no momento de crise pelo qual o país atravessa as vendas dele em relação a 2014 estão 80% mais altas.

Enquanto uns compram muito, outros, por conta das incertezas do cenário econômico do país, são mais regrados na hora de gastar. O padeiro Tiago Gama, 24, lembra que as notícias sobre crise financeira estão fazendo com que ele gaste menos que em 2014. “Antes eu sempre comprava muita roupa, brinquedos e calçados. Mas este ano só estou comprando brinquedos para não deixar passar em branco”, explicou.

De acordo com Francisco de Souza, 49, que é gerente de uma loja de calçados na avenida Grande Circular, o fluxo de pessoas na avenida continua grande, mas elas não estão entrando nos estabelecimentos para comprar. “Quem conhece esse lugar sabe que o movimento aqui já foi muito melhor”, contou Souza, afirmando que registrou queda de 40% em relação a mesma data no ano passado.

“Trabalho aqui há 28 anos, e nunca tinha presenciado uma crise dessa”, prosseguiu o gerente da loja, ao destacar que precisou baixar os preços dos artigos infantis para não sair perdendo no dia das crianças. “Agora a média de preço aqui é de R$ 49,00 para baixo, mais que isso não vende aqui nessa área”, afirmou.

Um dos poucos clientes na loja de Francisco era o eletricista Josemar Souza, 30, que escolhia tênis novos para o casal de filhos. Ele afirma que só deixou para comprar na última hora porque o pagamento do seu salário acabou atrasando.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir