Dia a dia

Detento do CDPM confessa ter assassinado estudante; DEHS considera que suspeito seja serial killer

No ano passado Rogério foi beneficiado com concessão de liberdade e passou para o regime semiaberto. Foi quando aproveitou para cometer novos delitos - foto: divulgação

No ano passado Rogério foi beneficiado com concessão de liberdade e passou para o regime semiaberto. Foi quando aproveitou para cometer novos delitos – foto: divulgação

O detento Rogério Borges Mendonça, 30, preso desde julho de 2015 no Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), confessou ter estuprado e assassinado a estudante Geissiane Vieira Ribeiro, 19, crime ocorrido no dia 8 de julho de 2015. A Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) considerou o suspeito seja serial killer – matador em série, pelo fato dele estar envolvido em mais três homicídios.

De acordo com o titular da DEHS, delegado Ivo Martins, no dia do delito Geissiane teria saído da casa do namorado, localizada no bairro Monte Sinai, na Zona Norte da cidade, com destino a um terminal de ônibus naquela mesma área. No local, ela foi abordada por Rogério, que se apresentou como um agenciador de empregos de um shopping da cidade. Ele ofereceu uma vaga de trabalho com muitos benefícios, como itens de beleza e aparelhos celulares gratuitos.

“Após convencer a jovem, Rogério fingiu falar ao telefone com a dona da loja, dizendo que teria uma candidata para a vaga. Ele conduziu Geissiane até a referida loja no shopping, mas ao chegar ao lugar, informou à vítima que a suposta proprietária não estava mais na loja e sim em um sítio, onde estaria organizando uma festa. A dona do estabelecimento teria solicitado que Rogério levasse Geissiane para assinar o contrato no sítio e os dois seguiram para o lugar”, explicou Ivo Martins.

Conforme a autoridade policial, a vítima entrou no ônibus e seguiu para o suposto sítio, localizado na rodovia federal BR-174. Quando desceu do coletivo e percebeu que estava sendo enganada a garota ainda tentou fugir. Na ocasião, Rogério e a estudante chegaram a travar luta corporal e ao final ele a imobilizou e cometeu o estupro. Em seguida ele estrangulou a vítima.

Ivo Martins ressaltou que a princípio a vítima teria sido dada como desaparecida e, por isso, as investigações sobre o caso foram iniciadas pela equipe da Delegacia Especializada em Ordem Política e Social (Deops). No dia 20 de julho de 2015 o corpo da jovem foi encontrado e, a partir daí, o caso foi encaminhado à DEHS. “No dia seguinte ao encontro do cadáver de Geissiane descobrimos que Rogério foi preso por policiais civis da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) pelo estupro de duas adolescentes, cometidos nos dias 25 de maio e 29 de junho de 2015”, disse.

O delegado titular da DEHS ressaltou que a equipe da especializada traçou cinco linhas de investigação ao longo das diligências, com base em casos semelhantes. O trabalho teve o apoio de policiais civis da Depca. “Conseguimos contato com a família dele e, durante oitiva, a tese de que ele seria o suposto autor do crime acabou confirmada. Fomos até o CDPM, onde o infrator cumpre pena, e, durante depoimento, mostramos algumas fotos da vítima e ele acabou confessando a autoria do delito”, declarou.

Segundo Martins, o autor apresenta comportamento de um matador em série. “Ele tinha o hábito de guardar objetos das vítimas, como forma de se vangloriar pelos crimes que cometeu. Ele tem um forte poder de convencimento e manipulação de suas vítimas. Rogério já foi condenado a 18 anos de reclusão em 2011 pelo homicídio de Lorena da Silva Barbosa, ocorrido em 2008. A vítima tinha 28 anos. No ano passado ele foi beneficiado com concessão de liberdade e passou para o regime semiaberto. Foi quando aproveitou para cometer novos delitos”, concluiu o titular da DEHS.

 

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir