Mundo

Destroço encontrado em ilha pertence ao avião da Malaysia Airlines

Malaysia Airlines confirma que pedaço de asa encontrado no dia 29 de junho, na Ilha de Reunião, pertence ao avião da empresa que desapareceu no dia 8 de março do ano passado - foto: divulgação

Malaysia Airlines confirma que pedaço de asa encontrado no dia 29 de junho pertence ao avião da empresa que desapareceu no dia 8 de março do ano passado – foto: divulgação

A Malaysia Airlines confirmou há pouco, em um comunicado a parentes e amigos dos passageiros do voo MH370, que o pedaço de asa encontrado no dia 29 de junho na Ilha de Reunião, perto de Madagascar, no sudeste da África, pertence à aeronave que sumiu no dia 8 de março do ano passado, sem deixar vestígios.

O Boeing da Malaysia Airlines saiu de Kuala Lumpur, capital da Malásia, com destino a Pequim. Pouco mais de uma hora depois da decolagem, a comunicação com a torre de controle foi interrompida. Investigadores acreditam que o transponder (aparelho que informa a posição da aeronave para o controle de tráfego aéreo e outros aviões) tenha sido desligado de propósito e que a aeronave foi desviada de sua rota em direção ao Oceano Índico, onde várias operações de buscas foram realizadas nos últimos 16 meses.

O local onde o pedaço de asa foi encontrado fica a milhares de quilômetros a oeste da área de buscas. Na mesma praia, foi encontrado na quinta-feira (30) um pedaço de mala, por um trabalhador responsável pela limpeza do litoral.

O primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, afirmou “esperar que a confirmação, embora trágica e dolorida, traga certeza às famílias das 239 pessoas que estavam a bordo da aeronave”. “Agora temos evidência física de que, em março do ano passado, o voo MH370 terminou tragicamente no sul do Oceano Índico.”

O pedaço de asa, que foi levado para a França, está sendo analisado por especialistas da agência responsável pela investigação de acidentes aéreos, com a participação de autoridades da Malásia, China e Austrália. Em entrevista à imprensa hoje (5), o procurador francês Serge Mackowiak adotou uma postura mais cautelosa e disse que há uma “suposição muito forte” de que o destroço pertença ao Boeing 777 do voo MH370.

“Representantes da Malaysia Airlines nos informaram as especificações técnicas do voo MH370 e foi possível comparar essas informações às encontradas no destroço ”, informou. Ele observou, entretanto, que uma nova análise será feita no objeto e também na mala encontrada na ilha.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir