Política

Deputados gastam R$ 5,5 milhões do ‘Cotão’

O ‘Cotão’ é uma verba única mensal destinada a custear os gastos dos deputados, exclusivamente, vinculados ao exercício da atividade parlamentar – ALEAM

De janeiro a novembro de 2016, deputados estaduais, juntamente com o suplente Dr. Gomes (PSD), da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), gastaram na Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), o ‘Cotão’, cerca de R$ 5,5 milhões, que equivalem a 89% do valor total anual disponibilizado, que é de R$ 6,2 milhões. O auxílio mensal é de R$ 25 mil. Dentre os parlamentares, sete não utilizaram o auxílio nos meses de agosto e setembro, por terem participado das eleições municipais.

Os itens mais utilizados da Ceap foram combustível, que somou um total de R$ 1,3 milhão; locação de veículos e imóveis, que totalizou um gasto de R$ 798 mil; consultorias jurídicas, contábeis e comunicação, que somam R$ 490 mil, e fretamento aéreo e passagens, que atingiu a marca de R$ 400 mil.

O ‘Cotão’ é uma verba única mensal destinada a custear os gastos da atividade parlamentar.

Dentre os 24 deputados, Wanderley Dallas (PMDB), foi quem mais gastou, contabilizando um total de R$ 262 mil. Deste valor, R$ 83 mil foi usado em combustível e R$ 56 mil em informativos de suas atividades de parlamentar. “Eu utilizo todas os meses, quando o dinheiro cai na minha conta. E a cota é importante para a atividade do deputado, porque o trabalho parlamentar precisa ser divulgado”, disse Dallas.

Em segundo lugar, ficaram Dermílson Chagas (PEN) e Francisco Souza (PTN), que gastaram cerca de R$ 261 mil. Deste valor, Souza utilizou R$ 80 mil em fretamento fluvial e passagens aéreas. Já Chagas usou boa parte em combustível, chegando a R$ 81 mil em gastos.

Em terceiro lugar em gastos, está o deputado Platiny Soares do Democratas, que utilizou o valor de R$ 260 mil, de janeiro até novembro. A maior fatia do valor foi destinada a combustível, que totalizou um gasto de R$ 79 mil. Já, no gasto em consultoria contábil, ele passou da margem dos R$ 50 mil.

O parlamentar Belarmino Lins (Pros) gastou R$ 259 mil, sendo que R$ 67 mil foram destinados à locação de veículos e R$ 64 mil em combustível. Já Bosco Saraiva (PSDB) utilizou R$ 256 mil do cotão. A maioria do recurso foi utilizada em locação de veículos e imóveis, que, ao todo, somam R$ 98 mil e na própria divulgação dos trabalhos parlamentares, o que totalizou R$ 86 mil.

Cabo Maciel (PR) e Abdala Fraxe (PTN) gastaram R$ 255 mil. Dos seus gastos, Maciel usou R$ 85 mil em combustível e Abdala utilizou R$ 110 mil em consultoria jurídica, que, de acordo com ele, é de muita importância para que haja um desempenho parlamentar dentro da lei. “Preciso ter essa consultoria para me auxiliar nos meus deveres como deputado”, afirmou.

O deputado Orlando Cidade (PTN) consumiu, ao todo, R$ 252 mil, boa parte aplicada em fretamento aéreo, gasto que atingiu a marca de R$ 102 mil. Orlando se justifica e diz que a maioria dos seus compromissos são no interior do Estado, auxiliando e atendendo os municípios. “Sou deputado do interior, e sempre foi assim, porque ir de barco é muito mais caro e de carro, demora em torno de dois a três dias. Mesmo assim, estou diminuindo as minhas viagens, porque o valor está bastante abusivo”.

Gastos a baixo de R$ 251 mil

O suplente Dr. Gomes (PSD), que estava no lugar do deputado Sidney Leite (Pros), até novembro, gastou R$ 251 mil e direcionou R$ 86 mil para gastos em combustível e R$ 85 mil para a locação de veículos.

Alessandra Campelo (PMDB) utilizou R$ 250 mil, sendo que R$ 70 mil foram destinados para consultoria jurídica e contábil e R$ 70 mil para locação de veículos e imóveis. O deputado Vicente Lopes (PMDB), utilizou R$ 249 mil. Deste total, ele usou R$ 142 mil em fretamento aéreo e R$ 75 mil em combustível. Augusto Ferraz (DEM) gastou R$ 246 mil do ‘Cotão’ e utilizou cerca de R$ 86 mil para gastos com combustível.

Sabá Reis (PR) e Adjuto Afonso (PDT), que não utilizaram o auxílio do mês de agosto e setembro, por terem se envolvido nas eleições municipais, além de David Almeida (PSD) e Ricardo Nicolau (PSD), utilizaram um valor que oscila entre R$ 236 mil e R$ 244 mil do ‘Cotão’.

Já Carlos Alberto (PRB), Sinésio Campos (PT) e os deputados Luiz Castro (Rede) e Bi Garcia (PSDB), que participaram também das eleições e não gastaram o recurso do Ceap no mês de agosto e setembro, contabilizaram gastos entre R$ 212 mil e R$ 228 mil.

O deputado Josué Neto (PSD) gastou R$ 179 mil e José Ricardo R$ 148 mil. Os dois não tiveram acesso ao ‘Cotão’ nos meses de agosto e setembro, por também terem participado das eleições municipais. Josué também não usou a verba de outubro.

Levando em consideração estar na cadeira de deputado desde janeiro, Serafim Corrêa (PSB) foi o deputado que menos gastou do cotão, totalizando um gasto de R$ 93 mil. Sidney Leite (Pros), que ficou afastado do legislativo, desde 2015, por ter sido nomeado como Secretário de Estado de Produção Rural (Sepror), voltou para o parlamento apenas em novembro, e conseguiu gastar R$ 7 mil.

Diogo Dias
EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir