Política

Deputados batem boca por causa da CPI da Saúde

Bate boca iniciou quando a parlamentar Alessandra Campelo (PMDB) citou falta de comprometimento dos deputados estaduais com a população - foto:  divulgação

Bate boca iniciou quando a parlamentar Alessandra Campelo (PMDB) citou falta de comprometimento dos deputados estaduais com a população – foto: divulgação

Os deputados estaduais Alessandra Campelo (PMDB) e Sinésio Campos (PT) bateram boca, ontem, durante o pequeno expediente da sessão compensatória na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam). O motivo da discussão foi a cobrança feita por Campelo pelas assinaturas dos parlamentares para a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que tem como intuito investigar os desvios de dinheiro da saúde, no Amazonas.

O bate-boca entre os dois iniciou quando Alessandra Campelo declarou, na tribuna, a falta de comprometimento dos deputados estaduais, de não assinarem a instalação da CPI para investigar outros contratos suspeitos firmados entre a Secretaria de Estado da Saúde (Susam) e organizações sociais que prestam serviços com dispensa de licitação. “Nenhum dos colegas parlamentares nunca sequer assinaram nenhuma investigação contra o governo. Eles chegam no plenário, dão presença e vão embora. Pelo visto, preferem ficar do lado do governo do que trabalhar para a população”, ironizou a parlamentar.

Sem ser citado nominalmente, o deputado Sinésio Campos (PT) se sentiu ofendido com a declaração da parlamentar e a interrompeu, alegando que não se ausenta do plenário e que desconhece o texto do pedido de CPI, porque não foi procurado por nenhum outro deputado para assinar o requerimento. Ele aproveitou a deixa e solicitou à deputada cópia do pedido de CPI para analisar e decidir se vai assinar ou não. “Quando apresento um projeto nesta casa, vou pessoalmente em todas as bancadas conversar com os deputados para justificar minha decisão e obter o aval deles”, acrescentou.

Rebatendo o colega, Alessandra pediu respeito a Sinésio, já que o momento de falar era dela e que, em nenhum momento citou o colega em seu discurso. “Se você se ofendeu e se a carapuça serviu, eu não posso fazer nada”, disse a peemedebista ao deputado.

Em seguida, a deputada contestou Sinésio, afirmando que o requerimento da CPI foi protocolizado em seu gabinete e, em suas mãos.

Investigação

A proposta de uma CPI da Saúde é para investigar uma parte dos contratos firmados entre a Susam e empresas que envolvem recursos estaduais, já que a Polícia Federal, por meio da Operação Maus Caminhos, desarticulou contratos com recursos federais. “Os deputados não querem assinar porque já tem uma investigação da PF em cima, e o que eles não entendem é que têm verbas oriundas do Estado que a federal não investiga. Então, tem muito mais coisas que é preciso ser averiguado, portanto, vou aguardar o posicionamento dos meus colegas”, disse Campelo.

Até o momento, cinco deputados já assinaram o pedido de CPI: José Ricardo Wendling (PT), Luiz Castro (Rede), Wanderley Dallas, Vicente Lopes e Alessandra Campelo, todos do PMDB. Para que o requerimento tramite na casa, são necessárias oito assinaturas.

Diogo Dias
Jornal EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir