Política

Deputada se reúne com Sindespecial para evitar possível paralisação em Manaus

A deputada Alessandra Campêlo se reuniu na manhã desta quinta-feira (28) com o Sindespecial, na Aleam - foto: divulgação

A deputada Alessandra Campêlo se reuniu na manhã desta quinta-feira (28) com o Sindespecial, na Aleam – foto: divulgação

Com objetivo de evitar uma paralisação e eventuais transtornos para a população, a deputada estadual Alessandra Campêlo (PCdoB) se apresentou como intermediadora do diálogo entre a Assembleia Legislativa do Amazonas e o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Especial, Turismo, Fretamento, Locadoras e Carro de Valores Intermunicipal de Manaus (Sindespecial).

Os profissionais ligados ao Sindespecial são estratégicos para a economia local, pois fazem diariamente o transporte dos trabalhadores das empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM).

“Gostaríamos que nós nos uníssemos em torno disso. Eles têm sido muito explorados pelas empresas de transporte especial e me relataram que, às vezes, trabalham de manhã, à tarde e de madrugada, sem ter direito à alimentação. Às vezes, não conseguem nem parar para beber água”, afirmou Alessandra, ao pedir apoio da Casa Legislativa para o Sindespecial junto aos órgãos fiscalizadores, como a Delegacia Regional do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho.

“Além da questão da data-base e das reivindicações deles, que são justíssimas, porque estão sendo extremamente explorados, a gente precisa garantir que esses trabalhadores tenham condições humanas de trabalho”.

Impasse

A diretoria da entidade apresentou recentemente a contra proposta dos patrões (Sinfetran) de reajuste de 8% – sendo 6% agora e 2% em janeiro -, cesta básica de R$ 195,00 para R$ 210,00 e cesta natalina de R$ 40,00 para R$ 60,00. A categoria rejeitou a proposta por unanimidade.

A categoria paralisou o Distrito Industrial de Manaus no dia 15 de maio, o que fez com que os patrões recebessem a direção do sindicato para iniciar as negociações da pauta de reivindicações. A proposta do Sindespecial é de 15% de aumento no salário, cesta básica de R$ 240,00, cesta natalina de R$ 110,00, ticket refeição para todos os trabalhadores e Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

A categoria aprovou uma paralisação para esta sexta-feira, dia 29 de maio, em quatro pontos da cidade: Bola da Suframa, Armando Mendes, Japiim e Torquato Tapajós, em frente entrada do Novo Israel A categoria reclama que não tem uma jornada contínua de trabalho e luta pela equiparação salarial em todas as empresas.

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir