Política

Denúncia contra prefeito afastado de Iranduba será julgada no TJ-AM

O prefeito afastado é acusado pelo MP-AM de chefiar uma rede de corrupção no município responsável pelo desvio de R$ 56 milhões em licitações, em Iranduba - foto: divulgação/ ALEAM

O prefeito afastado é acusado pelo MP-AM de chefiar uma rede de corrupção no município responsável pelo desvio de R$ 56 milhões em licitações, em Iranduba – foto: divulgação/ ALEAM

A desembargadora do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), Carla Reis, encaminhou a denúncia ingressada pelo Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) contra o prefeito afastado de Iranduba, Xinaik Medeiros (Pros), para julgamento, segundo dados do sistema de acompanhamento processual do TJ-AM. A estimativa é que o processo entre na pauta da sessão da próxima terça-feira (1º).

Na ação, o prefeito afastado é acusado pelo MP-AM de chefiar uma rede de corrupção no município responsável pelo desvio de R$ 56 milhões em licitações, em Iranduba.

Desde ontem o processo está concluso para julgamento. De acordo com as informações disponibilizadas no sistema de acompanhamento processual do TJ-AM, a desembargadora encaminhou os autos para a Secretaria do TJ-AM para “proceder a inclusão do processo em pauta de julgamento como “Questão de Ordem”.

Procurada pelo EM TEMPO, a desembargadora informou, via assessoria de comunicação do TJ-AM, que só se manifestará a respeito do processo depois do julgamento da ação pelo tribunal.

A ação iniciou em 18 de novembro do ano passado, após a operação Cauxi comandada pela Controladoria-Geral da União (CGU) em Iranduba, em parceria com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP-AM, a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP) e a Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai).
A operação resultou na prisão e no afastamento de Xinaik Medeiros e de secretários municipais, entre eles o então secretário de Finanças, David Queiroz.

Xinaik Medeiros, sua irmã, Nádia Medeiros, David Queiroz e Edu Corrêa foram acusados pelo Ministério Público de comandar um esquema de corrupção em Iranduba, responsável pelo desvio de R$ 56 milhões em licitações fraudulentas.

Eles estavam presos preventivamente e, neste ano, ingressaram com um pedido de revogação da prisão alegando ter residência fixa e que já foram afastados dos cargos públicos, não tendo como atrapalhar as investigações.

O ex-secretário municipal de Infraestrutura de Iranduba, André Maciel Lima, chegou a ingressar com uma petição no processo pedindo o perdão judicial ou, até mesmo, a extinção ou redução da pena porque colaborou com o Ministério Público do Estado (MPE-AM) durante a operação.

No documento, a defesa informou, ainda, que o perdão judicial é justo uma vez que “em seus depoimentos feitos na sede do Ministério Público do Estado do Amazonas, nos dias 12, 13 e 16/11/2015, este, houve por bem elencar todos os fatos e atos ilícitos praticados direta e indiretamente”.

Os pedidos de revogação de prisão e de perdão judicial foram negados pela desembargadora Carla Reis.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir