Esportes

Defesa de goleiro acusado de abuso sexual pede ajuda ao Itamaraty

Bezerra é acusado de abusar sexualmente de uma mulher de 22 anos- foto:divulgação

Bezerra é acusado de abusar sexualmente de uma mulher de 22 anos- foto:divulgação

A defesa de Thye Bezerra Mattos, 27, goleiro da seleção brasileira de polo aquático no alvo da polícia canadense por suspeita de assédio sexual, afirma ter procurado nesta segunda-feira (27) o Itamaraty para solicitar ajuda no caso registrado nos Jogos do Pan de Toronto.


A assessoria de imprensa do Itamaraty afirmou que ainda não há informações sobre o pedido, mas disse que, caso o órgão seja procurado, pode solicitar oficialmente que as autoridades canadenses liberem o processo e as informações para a defesa.
De acordo com o advogado do atleta, Marcelo Franklin, a defesa está com dificuldades até mesmo para saber detalhes sobre a acusação.
“Até o momento não conseguimos ter acesso nem mesmo ao processo. Queremos saber qual o tipo específico de acusação contra o atleta e quais as provas que dizem ter. Sem isso não há possibilidade de uma defesa justa”, afirmou Franklin.
Ainda segundo o advogado, a legislação canadense considera abuso sexual qualquer tipo de contato não desejado por uma das partes.
Franklin afirmou ainda que Mattos não voltará ao Canadá, como pediu a polícia da cidade sede do Pan-Americano -contra ele há um mandado de prisão.
O Itamaraty descartou a hipótese de extradição, já que o governo não extradita cidadãos brasileiros.
DENÚNCIA
Carioca, Thye é suspeito de ter atacado uma moradora da cidade de 22 anos na manhã do dia 16 de julho, um dia após a equipe ter encerrado sua participação com a medalha de prata no Pan.
Segundo a polícia do Canadá, o atleta segurou a vítima e cometeu o assédio na casa da mulher, na região central de Toronto, enquanto ela dormia. Naquele país, segundo a polícia canadense, a pena máxima em casos similares a esse é de 15 anos de detenção.
OUTRO LADO
A CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos) emitiu uma nota na qual reforça que o atleta se declara inocente. No texto, a entidade diz que está cuidando do caso e que solicitou o processo às autoridades canadenses para avaliar o caso.
Na sexta-feira (24), o diretor de polo aquático da CBDA, Marcos Maynard, afirmou que, na versão do goleiro, a relação com a jovem foi consensual. “Ele diz que a conheceu em um bar, foi até o apartamento da garota e os dois fizeram sexo. Ele diz que ela consentiu”, disse Maynard.
Já o clube Athletico Paulista, onde treina o atleta, diz que a política de patrocínio do clube é “extremamente rigorosa quanto ao comportamento de seus integrantes”.
Em nota, a associação afirma que está acompanhando o assunto, mas que a responsabilidade legal sobre o caso é da seleção brasileira, visto que o esportista competia pelo polo aquático nos Jogos do Pan de Toronto.

 

Por Folha Press

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir