Dia a dia

Cúpula de segurança se reúne para traçar medidas que combatam assaltos a bancos

Estiveram presentes as polícias federal, civil e militar- foto: Josemar Antunes

Estiveram presentes as polícias federal, civil e militar- foto: Josemar Antunes

Para coibir a onda de assaltos em agências bancárias, órgãos do Sistema de Segurança Pública se reuniram com representantes dos bancos, na tarde de quarta-feira (19), para traçar medidas que viabilizam o combate dos crimes conhecidos como ‘saidinhas de banco’. A primeira reunião para debater o assunto  aconteceu por volta das 14h30, no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), localizado na avenida André Araújo, bairro Aleixo, Zona Centro-Sul de Manaus.

A reunião foi coordenada pelo secretário executivo adjunto de Operações da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas, Pedro Florêncio, e contou com a presença das Polícias Civil e Militar, Polícia Federal, Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai), Banco do Brasil, Bradesco, Banco da Amazônia, Santander e Caixa Econômica Federal.

Pedro Florêncio destacou a integração do sistema de câmeras dos estabelecimentos bancários que será feita como forma de prevenir e reprimir assaltos a bancos e a clientes que saem dos estabelecimentos.

“Os crimes contra as agências bancárias impactam diretamente na sociedade, que se sente mais insegura, por isso estamos adotando essas novas estratégias”, disse.

Ele afirma que a comunicação entre a Polícia Militar e as agências bancárias deve ser reforçadas para que as ações criminosas possam ser evitadas. “A intenção é que os gerentes dos bancos tenham contato direto com as Cicoms, supervisores da área e delegacias”.

O subcomandante geral da Polícia Militar, Antônio César Escóssio, explica que a população deve ter cuidado em movimentar grandes quantias de dinheiro no banco. Ele ressaltou que a PM já reforça o policiamento onde há grande número de agências.

“A prevenção desses crimes vai desde a identificação de pessoas suspeitas no banco, que geralmente, estão há muito tempo dentro do estabelecimento e não realizam nenhuma operação financeira. Nesses casos o funcionário do banco podem acionar de imediato a PM, que a viatura mais próxima do local vai se deslocar para realizar uma verificação”.

Por Josemar Antunes

 

 

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir