Política

Cunha tentou golpe e age de forma rasteira, diz presidente do Conselho de Ética

O presidente da Câmara recuou e o retirou de votação - foto: divulgação

O presidente da Câmara recuou e o retirou de votação – foto: divulgação

O presidente do Conselho de Ética da Câmara, José Carlos Araújo (PR-BA), afirmou nesta quarta-feira (30) que Eduardo Cunha (PMDB-RJ) tentou dar um golpe para escapar da cassação e age de forma rasteira para se manter no comando da Câmara.

Em discurso que abriu a sessão desta quarta do Conselho, Araújo fez duras críticas à tentativa de Cunha de aprovar de forma relâmpago um projeto que remodelava a composição do Conselho e lhe dava a maioria das 21 cadeiras do colegiado.

“Advogar em causa própria, tentar de forma rasteira ficar no cargo que ocupa não é digno de um presidente desta Casa”, discursou Araújo. “Me sinto envergonhado. Neste ano a palavra que mais ouvi foi golpe, golpe, golpe. Mas confesso que em lugar nenhum enxergava golpe. Ontem [terça] enxerguei a tentativa de golpe nesta Casa.”

O projeto encampado por Cunha, revelado pela Folha de S.Paulo nesta terça (29), estabelecia a recomposição de todas as comissões e órgãos da Câmara, incluindo a interrupção de mandatos no Conselho, cujos 21 integrantes são eleitos para dois anos, período que só termina no início de 2017.

O argumento é de que era preciso recompor a proporcionalidade partidária dos órgãos após o recente troca-troca que levou 90 deputados a mudarem de legenda.

Após a notícia sobre o projeto vir à tona e ser alvo de reação forte de integrantes do Conselho e de partidos governistas e de oposição, o presidente da Câmara recuou e o retirou de votação. Nova versão deve excluir o Conselho de Ética da mudança.

“Esse projeto era nada mais do que um pano de fundo para a verdadeira finalidade da medida, que era liquidar o Conselho de Ética”, acrescentou Araújo.

Aliados de Cunha reafirmaram o que o peemedebista tinha dito na véspera, que o Conselho de Ética não foi objeto da discussão para a elaboração do projeto.

Plano de Trabalho

Cunha responde a processo de cassação no Conselho de Ética sob a acusação de ter mentido a seus pares quando, em março de 2015, negou ter qualquer tipo de conta no exterior.

Devido a sucessivas manobras patrocinadas por ele e por aliados, o processo está ainda em fase inicial, mais de cinco meses depois de ter sido protocolado.

Nesta quarta, o relator, Marcos Rogério (DEM-RO), apresentou seu plano de trabalho. Ele vai solicitar o envio ao Conselho de cópia das investigações contra Cunha no Supremo Tribunal Federal, na Procuradoria-Geral da República e no Banco Central.

Segundo ele, investigações do BC “relacionadas a evasão de divisas, lavagem de dinheiro e manutenção de contas correntes não declaradas no exterior podem revelar-se essenciais para o exame dos fatos apurados”.

Rogério reafirmou ainda a intenção de ouvir uma série de testemunhas de acusação -incluindo os delatores que acusam Cunha de integrar o petrolão e de defesa- entre eles dois advogados suíços, país onde Cunha é beneficiário de contas até pouco tempo secretas.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir