Política

Cunha comparece à sessão da CCJ e diz estar preparado para se defender

A CCJ está julgando o recurso apresentado pela defesa de Cunha, pelo qual ele listou 16 supostas irregularidades - foto: divulgação

A CCJ está julgando o recurso apresentado pela defesa de Cunha, pelo qual ele listou 16 supostas irregularidades – foto: divulgação

Ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) decidiu comparecer à sessão da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) nesta terça-feira (12) para se defender no processo em que é acusado de quebra de decoro parlamentar.

O peemedebista foi econômico nas palavras ao chegar na Câmara, às 14h20, dez minutos antes do horário previsto para o início da sessão. “Estou preparado para me defender”, afirmou, sucintamente.

A CCJ está julgando o recurso apresentado pela defesa de Cunha, pelo qual ele listou 16 supostas irregularidades na tramitação de seu processo no Conselho de Ética, colegiado que votou pela cassação do agora ex-presidente da Casa.

Eduardo Cunha entrou na pauta do Conselho sob acusação de ter mentido à CPI da Petrobras, quando disse que não possuía contas na Suíça.

Nesta terça, o relator do recurso na CCJ, deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), aliado de Cunha, concluirá a leitura de seu parecer. O relatório do deputado do Distrito Federal acolhe um dos questionamentos do parlamentar fluminense e pede o retorno do processo ao Conselho de Ética.

Cunha terá exatamente o mesmo tempo concedido ao relator para apresentar os argumentos de sua defesa. Em seguida, os integrantes da CCJ votarão o relatório de Fonseca.

Como os trabalhos na comissão têm de ser suspensos quando começar a sessão do plenário, é pouco provável que o parecer de Fonseca seja votado nesta terça (12).

Apesar do parecer de Fonseca favorecer Cunha, o placar na comissão não está a seu lado. Aliados de Cunha trabalharam nos últimos dias para isso. Um dos principais aliados dele, o deputado Paulinho da Força (SD-SP), foi colocado na comissão para aumentar o quórum favorável ao peemedebista.

Esse movimento já ocorre há cerca de um mês -PR e PTN também já trocaram integrantes. Houve pressão sobre PSDB e DEM para também colocar lá deputados mais alinhados ao ex-presidente da Casa. Apesar dos esforços, contudo, adversários do peemedebista calculam que ele não tem mais de 30 votos.

A CCJ é a principal comissão da Casa, composta por 66 deputados. Essa é a penúltima fase do processo contra Cunha, que segue depois para o plenário. Qualquer que seja o resultado, são necessários os votos da maioria -34 deputados.

Aliados de Cunha correm para eleger logo um aliado dele, de forma que um “cunhista” presida a sessão de plenário que vai cassar seu mandato.

Protelação

Apesar dos esforços de adversários para votar ainda nesse primeiro semestre a cassação do mandato de Cunha, o caso só deve ter um desfecho em agosto.

A reunião desta terça (12) da CCJ tente a ser longa. Na última quarta (6), Fonseca levou 2 horas e 19 minutos para ler seu parecer. Cunha dispõe desse mesmo tempo para se defender. Essa será a primeira parte da sessão. Em seguida, começa a parte da discussão. Já são mais de 30 inscritos.

Além disso, serão apresentados pelo menos dois votos em separado, um do relator no Conselho de Ética, Marcos Rogério (DEM-RR), e outro do Psol, de Chico Alencar (RJ) e Ivan Valente (SP).

O relator tem direito a tempo para análise dos votos. O presidente da CCJ, Osmar Serraglio (PMDB-PR), já disse que dará à Fonseca o tempo que ele pedir, que pode ser de horas ou dias.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir