Política

Crivella e Freixo vão para o segundo turno no Rio de Janeiro

, Crivella teve 27,76% dos votos válidos, enquanto Freixo teve 18,31% dos votos- foto reprodução

, Crivella teve 27,76% dos votos válidos, enquanto Freixo teve 18,31% dos votos- foto reprodução

O candidato Marcelo Crivella (PRB) vai disputar o segundo turno das eleições no Rio de Janeiro contra o candidato Marcelo Freixo (PSOL).

Com 99,13% das urnas apuradas, Crivella teve 27,76% dos votos válidos, enquanto Freixo teve 18,31% dos votos.

Bispo da Igreja Universal, o senador Marcelo Crivella concorre pela terceira vez à prefeitura carioca. Engenheiro civil, com pós-graduação na Universidade de Pretoria, em Johannesburgo, África do Sul, também concorreu ao governo estadual em 2006 e 2014. Começou a trabalhar aos 14 anos como auxiliar de escritório e foi taxista. Ficou oito anos no Exército, foi professor universitário e servidor público.

Com 59 anos, Crivella nasceu na capital fluminense e é filho único de pais católicos. Em 2002, foi eleito para o Senado com mais de 3 milhões de votos. Foi reeleito para o período 2011 a 2019. Foi ministro da Pesca e Aquicultura no governo de Dilma Rousseff. O político publicou contos de cunho religioso e um livro sobre projeto que torna produtivas terras abandonadas pelo governo federal, na cidade de Irecê (BA).

Casado com Sylvia Jane há 36 anos é pai de três filhos e tem dois netos. Crivella chegou a ser considerado um dos principais intérpretes do gênero gospel no Brasil, com cerca de 16 álbuns musicais gravados.

Já o deputado estadual Marcelo Freixo, concorre pela segunda vez à prefeitura do Rio de Janeiro, dessa vez pela coligação ‘Mudar é Possível’ (Psol-PCB). Com 49 anos, Freixo nasceu em Niterói, foi professor de história e atuou durante duas décadas como ativista de direitos humanos. Foi voluntário no projeto de prevenção de HIV e aids nas prisões do estado em 1995 e 1996, coordenou projetos educativos no sistema penitenciário e fiscalizou presídios para garantir direitos dos presos até 2004. Foi filiado ao PT de 1986 a 2005, quando filiou-se ao então recém-criado PSOL, onde elegeu-se deputado estadual, em 2006.

Freixo ganhou visibilidade na imprensa quando presidiu a Comissão Parlamentar de Inquérito das Milícias, em 2007, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), que investigou a ligação de parlamentares com grupos paramilitares e indiciou 225 pessoas. Sua atuação lhe rendeu inúmeras ameaças de morte e uma referência no filme Tropa de Elite 2, com o personagem Diogo Fraga, deputado que combatia milicianos. Em 2010, Freixo se reelegeu como segundo deputado estadual mais votado do Rio de Janeiro e, novamente, em 2014, tendo sido o mais votado do país. É o atual presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Alerj.

Com informações da Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir