País

Cristo Redentor fica vermelho em homenagem a doadores de sangue

O Cristo Redentor será iluminado hoje (14), das 18h às 19h, com a cor vermelha, em homenagem a todas as pessoas que separam um tempo de sua rotina para serem doadores voluntários.

A ação, fruto da parceria entre a Arquidiocese do Rio de Janeiro, o Hemorio e o Viva Rio, faz parte das homenagens ao Dia Mundial do Doador de Sangue que, no Brasil, tem como mote da campanha “Salvando Vidas, Gota a Gota”, e que objetiva incentivar e sensibilizar a população a doar sangue.

O Salvando Vidas, Gota a Gota é uma das ações do Voluntariado do Viva Rio, que já encaminhou mais de três mil doadores às unidades de coleta da cidade. A ação é desenvolvida em parceira com o Hemorio e as demais hemoterapias, a prefeitura, associações comunitárias, igrejas e empresas.

A data escolhida para a campanha marca o nascimento do médico austríaco Karl Landsteiner, ganhador do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina em 1930, pelo descobrimento do sistema AOB de tipagem sanguínea.

Ao falar da campanha, a coordenadora do programa de Voluntariado do Viva Rio, Cibele Dias, explica que doar sangue é fácil, rápido e não dói. Um gesto simples, que pode salvar até três vidas. “Queremos que as pessoas desenvolvam o hábito de doar sangue, não apenas em situações de emergência. A vida de quem precisa de sangue depende disso e não pode esperar”.

Já o reitor do Santuário Cristo Redentor, Padre Omar Raposo, lembra que a doação é um ato de amor à vida. “Jesus derramou todo o seu sangue na cruz, pela salvação da humanidade. Ele não se poupou, e nós devemos seguir o seu exemplo. Apenas um pouco do nosso sangue pode restituir a saúde a alguém, e até mesmo salvar vidas. Esse voluntariado é próprio de quem ama”, disse o padre.

Responsável por cerca de 70% do sangue consumido no Rio de Janeiro, o Hemorio está com uma acentuada queda de doações desde o início de maio. “Atualmente recebemos uma média de 250 candidatos à doação de sangue por dia, mas o ideal seria que recebêssemos o dobro” afirma o diretor geral do Hemorio, Dr. Luiz Amorim.

Qualquer pessoa com peso acima de 50 quilos e idade entre 16 e 69 anos pode doar sangue. Mulheres precisam respeitar o intervalo de três meses entre as doações, e homens, de dois meses.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o número de doadores de um país seja de 3% a 5% do total da população. Contudo, segundo dados do Ministério da Saúde, este índice no Brasil não chega a 2%: são apenas 3,6 milhões bolsas de sangue por ano.

Mas o Brasil é um país que tem estatística de doação inferior à proposta pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a qual cita que a autossuficiência em componentes sanguíneos deve ser conseguida quando o número de doações de sangue for de 3 a 5% da população.

No Brasil, chega a quase 2% para atender a toda a demanda transfusional. Ainda em 2015, a World Health Organization (WHO) vai promover a campanha com o mote Thank you for saving my life – Obrigado por salvar minha vida –  com foco nos doadores que salvam vidas e encorajam cada vez mais pessoas a fazerem o mesmo ato.

De acordo com Dante Langhi, diretor financeiro da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH), o brasileiro não tem a cultura de doar sangue, embora a iniciativa seja um ato imprescindível, que possibilita o tratamento de inúmeros pacientes. “É importante as pessoas se conscientizarem que a doação é um ato totalmente altruísta”, explica o hematologista.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir