Mundo

Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015

O campo de Zaatari, na Jordânia, abriga mais de 80 mil refugiados sírios – foto: Pablo Tosco/Oxfam

O campo de Zaatari, na Jordânia, abriga mais de 80 mil refugiados sírios – foto: Pablo Tosco/Oxfam

O ano de 2015 foi marcado pela crise dos refugiados, considerada a mais grave desde a Segunda Guerra Mundial. O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) estima que o número de pessoas deslocadas no mundo deve ser recorde em 2015 e ultrapassar os 60 milhões.

Os conflitos, na Síria, entre o governo do presidente Bashar Al Assad e grupos extremistas como o Estado Islâmico foram um dos principais responsáveis pelo recorde de refugiados e deslocados internos no mundo este ano.

De acordo com o Acnur, o número de refugiados no mundo aumentou 45% desde 2011. Os países da África Subsaariana acolhem a maioria dos refugiados (4,1 milhões), seguidos da Ásia e do Pacífico (3,8 milhões), da Europa (3,5 milhões), do Oriente Médio e da África do Norte (3 milhões). Um total de 753 mil refugiados vive no Continente Americano.

A imagem do menino sírio Aylan Kurdi, de 3 anos, morto em uma praia da Turquia fez com que a crise migratória ganhasse maior repercussão internacional. Ele, o irmão de 5 anos, a mãe e outros refugiados morreram afogados ao tentar alcançar a ilha grega de Kos e entrar na Europa.

Desde janeiro, 1 milhão de imigrantes chegaram à Europa, a maioria pelo Mediterrâneo, anunciaram a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Acnur no dia 22 de dezembro.

“O total representa o fluxo migratório mais elevado desde a Segunda Guerra Mundial na Europa”, informou a OIM. Em 2014, mais de 219 mil migrantes tinham atravessado o Mediterrâneo. A OIM informou ainda que 3.692 pessoas morreram ou estão desaparecidas no mar.

Ainda segundo o Acnur e a OIM, dentre os migrantes que atravessaram o Mediterrâneo este ano, uma pessoa a cada duas era síria e fugia da guerra em seu país”. Os afegãos representam 20% e os iraquianos 7% dos que chegaram ao continente europeu.

Atentados

Para a assessora de Direitos Humanos da Anistia Internacional Brasil, Fátima Mello, os atentados terroristas ocorridos em Paris, em novembro, agravaram a evolução da situação dos refugiados pelo mundo.

“Chegamos ao final de 2015 numa situação, em termos de debate público, pior até do que no meio do ano. Depois dos atentados de Paris, não só na França como em outros países da Europa, mas ao redor do mundo e até aqui no Brasil, a gente começa a escutar a interpretação de setores conservadores de que os refugiados seriam confundidos com terroristas. A nossa preocupação é que depois dos atentados de Paris, como se a situação já não estivesse péssima para os refugiados, com muitas violações gravíssimas de direitos humanos, agora há uma tendência na opinião pública a essa confusão”, disse ela.

No dia 13 de novembro, atentados terroristas reivindicados pelo Estado Islâmico mataram 130 pessoas e feriram 350 em Paris. Em janeiro, outro atentado contra a redação do jornal satírico Charlie Hebdo, praticado por três homens encapuzados e fortemente armados, deixou 12 mortos também na capital francesa.

“Os refugiados são as maiores vítimas do terrorismo. A crise dos refugiados é o sintoma de uma crise multifatorial, que envolve desde o fracasso da chamada Guerra ao Terror, que deixou um legado de forte militarização nos territórios de origem dos refugiados e de descontrole no comércio e circulação de todo tipo de armas e munição”, informou Patrícia.

De acordo com a assessora de Direitos Humanos, a Anistia produziu relatório mostrando que o comércio de armas de países como Estados Unidos, Rússia e União Europeia para as regiões de conflito acaba caindo na mão de grupos terroristas por causa da desestruturação dos exércitos desses países. “Há também a dimensão de disputa por recursos naturais, em especial petróleo no Norte da África”.

“A gente termina o ano insistindo na necessidade da comunidade internacional enfrentar de forma coletiva a maior crise desde a Segunda Guerra. Hoje, o mundo tem 60 milhões de pessoas deslocadas de suas origens, sendo 20 milhões de refugiados e 40 milhões deslocadas dentro de seus próprios países”, diz Fátima. No caso da Síria, grande parte dos refugiados (95%) são recebidos pelos países vizinhos, Líbano, Turquia, Jordânia.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir