País

Crianças de áreas carentes veem violência como algo normal, diz pesquisa

A pesquisa ouviu 1.400 crianças e adolescentes de 12 cidades brasileiras com baixo IDH - foto: Divulgação

A pesquisa ouviu 1.400 crianças e adolescentes de 12 cidades brasileiras com baixo IDH – foto: Divulgação

Na creche comunitária onde Carla Rodrigues Peres, 37, trabalha, é comum ver crianças de três anos brincando de tiroteio. Os amigos de sua filha Lara, 16, acham normal que datas importantes sejam comemoradas com tiros para o alto.

Tal normalização da violência não acontece apenas na cidade onde mora a família Peres, em Nova Iguaçu, região metropolitana do Rio. Um estudo lançado nesta segunda-feira (26) pelo centro de pesquisa Instituto Igarapé e a Organização Não Governamental (ONG) humanitária Visão Mundial indica que essa é a tendência entre crianças que vivem em regiões de baixa renda.

A pesquisa ouviu 1.400 crianças e adolescentes de 8 a 17 anos de 12 cidades brasileiras com baixo  Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). 40% delas já tiveram que interromper aulas por causa de um tiroteio. 63% dizem que apanham em casa. Apesar disso, apenas 1% dizem se sentir muito inseguros.

Segundo o diretor de pesquisa do Instituto Igarapé, Robert Muggah, essa normalização acontece porque a violência faz parte do cotidiano dessas pessoas. Ela está no dia a dia, nos noticiários e nas redes sociais.

O Brasil é o 2º país no mundo com o maior número de homicídios contra adolescentes. Segundo dados da Unicef, a cada dia, 28 crianças e adolescentes morrem no país devido a situações de violência.

A importância de perceber que a violência não é normal, dizem os pesquisadores, é evitar que o ciclo se perpetue e que quem a comete fique impune. As consequências da exposição constante de crianças à violência são várias, dizem os pesquisadores: reprodução da violência, dificuldade de estudar, problemas de saúde ligados ao estresse.

“Há pesquisas que mostram que pessoas expostas a estresse constantemente têm seus cérebros transformados quimicamente. Essas mudanças geram uma espécie de vício em situações de estresse. E assim a violência se perpetua”.

Também chama a atenção na pesquisa o fato de que uma minoria (40%) respondeu que sempre se sente protegido pela polícia. Para Muggah, isso se explica pelo fato de o Brasil ter uma polícia que ele considera agressiva.

O timing do lançamento da pesquisa, a uma semana das eleições municipais, não é arbitrário, diz o diretor nacional da Visal Mundial, João Diniz.

“Pesquisas internacionais indicam que investir na primeira infância é a melhor forma de reduzir a violência. Mas crianças não votam. Por isso é preciso pressionar para que a agenda política de um município tenha a criança como prioridade. Criança é um problema de todas as secretarias”.

Por Folhapress

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top