Política

CPI do SwissLeaks aprova convocação de dirigentes do HSBC

A CPI do SwissLeaks do Senado aprovou nesta terça-feira (23) a convocação de dirigentes do HSBC para falarem sobre as denúncias de evasão fiscal envolvendo o banco na Suíça.

Foram convocados a falar na comissão a diretora estaturária de HSBC Participações, Helena Freire McDonnell, o diretor estaturário de HSBC Participações, Cesar Sasson, além de ex-dirigentes como Paulo Sérgio de Góes, Luis Eduardo Alves de Assis e Alexandre Ibitinga de Barros.

A CPI também vai pedir ao Ministério da Justiça cópia do processo de investigação do Ministério Público da Suíça em relação ao HSBC, assim como o compartilhamento de informações encaminhadas pelo Ministério da Justiça da França ao Ministério Público e à Polícia Federal do Brasil.

O caso, conhecido como SwissLeaks, é uma apuração jornalística internacional feita a partir de dados obtidos do HSBC por um ex-funcionário do banco, Hervé Falcian. Em 2008, ele entregou dados sobre as contas no banco às autoridades da França, que posteriormente compartilharam com outros países.

Vice-presidente da CPI, o senador Randolfe Rodrigues criticou a lentidão nos trabalhos da comissão de inquérito, que há mais de 50 dias não ouve nenhum depoimento.

“Se nós não tomarmos providência, não fizermos convocações, não quebrarmos sigilos e não aprofundarmos investigações, não há razão de esta CPI existir. Então, acabemos, encerremos a CPI hoje, deixemos o trabalho por conta da Polícia Federal, da Receita Federal, de quem quer que seja, e não façamos mais nada. É mais cômodo”, criticou.

Informações da imprensa

Os trabalhos da CPI estão previstos para encerrarem no dia 19 de setembro, mas até hoje a comissão não recebeu do Ministério Público da França a lista do SwissLeaks. Os congressistas trabalham com base em informações publicadas pela imprensa brasileira e internacional.

Presidente da CPI, o senador Paulo Rocha (PT-PA) disse que conduz os trabalhos da comissão com “precaução e cautela” até que receba os dados oficiais da França.

Rocha disse que, dos 362 ofícios encaminhados pela CPI a pessoas que estariam na lista, somente 121 responderam -dos quais, entre outros, 68 negam a existência de contas no exterior e 23 reconhecem as movimentações financeiras, com o envio de certidões encaminhadas à Receita Federal e ao Banco Central.

Alguns se negaram a prestar informações à comissão, segundo Rocha.

Em relação ao Brasil, a lista indica que os correntistas brasileiros tinham cerca de US$ 7 bilhões entre 2006 e 2007 no banco em Genebra. Eram 6.606 contas de 8.667 clientes -muitos compartilhavam contas.

Ter dinheiro no exterior não configura crimes, desde que ele seja declarado à Receita em caso de valores superiores a R$ 140 e ao Banco Central quando a soma fora do país passar dos U$$ 100 mil. Caso contrário, crimes como o de evasão, sonegação fiscal e até mesmo lavagem de dinheiro podem ser configurados a depender de como as contas foram usadas.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir