Esportes

Correios cortam em 10% patrocínio a handebol, tênis e esportes aquáticos

A estratégia é reduzir os gastos da empresa e tentar chegar ao fim do ano com o orçamento em dia. - Foto: Divulgação

A estratégia é reduzir os gastos da empresa e tentar chegar ao fim do ano com o orçamento em dia. – Foto: Divulgação

A menos de cinco meses para o início dos Jogos Olímpicos do Rio, três confederações lidam com um enxugamento no repasse de verbas de patrocínio dos Correios.

A estatal, que vive crise financeira, estipulou um corte de cerca de 10% no que era previsto para ser repassado em 2016 para a CBT (Confederação Brasileira de Tênis), a CBHb (Confederação Brasileira de Handebol) e a CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos).

As três modalidades têm equipes e atletas com chances de pódio nos Jogos do Rio, que irão de 5 a 21 de agosto. Cada confederação definiu a melhor maneira de como se ajustar ao arrocho orçamentário.

A CBHb foi informada de que deveria cortar 10% dos R$ 7,5 milhões que eram programados para receber 2016, ou seja, R$ 750 mil tiveram de ser extirpados.

O presidente da entidade, Manoel Oliveira, porém, afirmou que poupou do facão a preparação das seleções brasileiras para a Olimpíada –a equipe feminina foi campeã mundial em 2013.

A confederação extinguiu ações de várias rubricas para se enquadrar, como ativação de marca. Isso envolve compra de camisetas e bate-bates para torcedores em jogos das seleções no país e adereços em eventos que envolvam as duas partes.

“Se levarmos em consideração que pagamos alto imposto e inflação, ter um corte no patrocínio causa dificuldade”, disse Oliveira à Folha de S.Paulo, citando que o contrato está em processo de renovação. O vínculo entre ambos vem desde 2012.

“Esse era o momento de ter acréscimo [de patrocínio], e não redução. Mas é melhor manter o patrocínio, claro”, complementou.

A reportagem apurou que o pedido de corte em relação à CBDA foi de idênticos 10%. O contrato entre ambos, que vigora desde 2014 e se encerra em outubro próximo, é de R$ 49,7 milhões. Porém, boa parte do montante se refere ao Plano Brasil Medalhas, por meio do qual a estatal repassa verba federal a atletas bolsistas.

A CBDA está estudando seu planejamento pré-estabelecido para ver onde seria possível cortar. A natação, carro-chefe da entidade, pode ser afetada com a não ida a eventos internacionais na rota para os Jogos Olímpicos.

“Os Correios e a CBDA estão revendo o planejamento de ações a serem realizadas este ano, considerando a priorização aos Jogos Olímpicos Rio 2016”, afirmou a estatal, por meio de nota enviada por sua assessoria de imprensa. Os Correios patrocinam a entidade desde 1991.

Já a CBT tem contrato vigente com os Correios até o início de setembro, da ordem de R$ 17 milhões (pelo biênio). O acordo está em processo de renovação.

A confederação confirmou que, a exemplo da CBHb e da CBDA, recebeu dos Correios informação do arrocho e vai fazer ajustes.

“Com relação ao corte de verba no contrato da CBT, a porcentagem ainda está sendo definida entre as partes a fim de não prejudicar o escopo dos trabalhos, mas já houve definição de que os valores serão de projetos que ainda não aconteceram e em hipótese alguma do alto rendimento da modalidade nem dos investimentos olímpicos”, afirmou a entidade, por meio de nota.

Outro Lado

Em meio à crise econômica no Brasil, os Correios atravessam período turbulento. Embora ainda não tenha fechado seu balanço de 2015, a estatal prevê um deficit entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2 bilhões. A empresa confirmou o corte nos repasses às confederações.

“Os Correios estão adotando uma série de medidas de aumento de receitas e redução de despesas, visando sua sustentabilidade, a melhoria da gestão e o bom atendimento à população. Entre as ações, está a redução de 10% nos contratos de patrocínios realizados com a CBDA, CBHb e CBT. Entretanto, serão preservados os recursos destinados aos preparativos e ações para seleções e atletas de alto rendimento. Os cortes serão realizados em despesas administrativas, endomarketing, projetos sociais e ativações.”

Ela também é patrocinadora e parceira logística do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos do Rio-2016. O contrato com os organizadores, porém, deve ser cumprido na íntegra.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir