Sem categoria

Corpos de amazonenses que estavam em avião abatido permanecem na Venezuela

O avião foi abatido na madrugada do dia 24 de maio - foto: divulgação

O avião foi abatido na madrugada do dia 24 de maio – foto: divulgação

Os corpos do piloto Klender Hideo de Paula Ida, 24, e do acompanhante Fernando César Silva Da Graça, 32, mortos após a Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) abater o avião no qual ambos estavam, na madrugada do dia 24 de maio, no espaço aéreo da Venezuela, ainda não foram liberados para que possam ser transferidos para Manaus.


Desde que desembarcou na Venezuela, a família dos amazonenses enfrenta dificuldades para conseguir a liberação dos corpos. O tio de Fernando, o empresário Anselmo Silva, contou que além da dificuldade de liberar o corpo, os familiares sofrem com o descaso do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, comumente chamado de Itamaraty, que, segundo ele, não tem dado nenhum apoio.
“Estão nos enganando, porque uma hora dizem que o corpo está liberado e outra hora não. Não sabemos porque as autoridades ainda não assinaram a liberação. O consulado brasileiro na Venezuela não faz nada. Acho que nem sabe que estamos aqui desesperados com medo de acontecer alguma coisa ruim. Não somos bandidos, somos pessoas de bem. O corpo do meu sobrinho está jogado em cima de uma pedra, sem nenhuma condição humanitária, com um fedor insuportável”, disse.
A reportagem tentou falar com os familiares do piloto Klender para saber como está o processo de liberação do corpo, porém nenhuma ligação foi atendida. O Itamaraty disse que iria responder por e-mail, porém, até o fechamento desta edição nenhuma resposta foi enviada.

Por Michelle Freitas (equipe Agora)

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir