Dia a dia

Corpo de criança encontrada no igarapé do Mindu está há 19 dias no IML a espera de liberação

Dezenove dias depois de ser encontrado no igarapé do Mindu, no bairro Parque 10, Zona Centro-Sul de Manaus, o corpo de André Pereira Crescenço, 6, continua no Instituto Médico Legal (IML) à espera da liberação para o enterro.

De acordo com um funcionário do IML, que preferiu não se identificar, a família que criou o garoto, chegou a conseguir toda a documentação no cartório, no entanto não tem validade devido à falta do exame de DNA que possa comprovar que a criança é filho da moradora de rua que foi apresentada como mãe.

“O sangue da mulher que se identificou como mãe do menino já foi colhido e estamos esperando para coletar o material genético dele e confrontar. A demora ocorre porque o corpo do André está em estado de putrefação e só poderemos fazer o exame com o DNA retirado do osso. Mas para isso é preciso todo um processo cuidadoso, o que acaba demorando um pouco”, explicou.

A reportagem esteve na casa do pai adotivo de André, situada na rua Perimetral 4, do bairro Amazonino Mendes, Zona Leste, mas o autônomo Davison Lúcio Pereira, 31, não estava no local.

Segundo vizinhos, ele teria saído com a esposa e só chegaria no final do dia. Os vizinhos confirmaram que o corpo da criança continua no IML e se revoltam com a demora na liberação do corpo. “A criança deveria ter um enterro digno, mas não vai ter. Infelizmente essa demora vem tirando o sossego da família do menino”, comentou um morador que não quis revelar o nome.

O morador reclamou que, após o acidente, a prefeitura enviou uma equipe para tapar o bueiro, porém o serviço estaria errado, na visão dos moradores. “Vieram aqui e taparam o bueiro de qualquer maneira. Da forma que deixaram aí, vai chegar ao ponto que ele vai romper essa tampa e quem sabe causar outro acidente”.

Por Michllee Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir