Mundo

Contaminação de solos por chumbo ameaça saúde de famílias em Los Angeles

Os solos em torno de uma antiga fábrica de reciclagem de pilhas em Los Angeles, nos Estados Unidos, apresentam elevados níveis de contaminação por chumbo e ameaçam a saúde de cerca de 50 famílias, mostra relatório oficial.

O documento dos serviços de saúde pública de Los Angeles (na Califórnia, Oeste dos Estados Unidos), divulgado nessa terça-feira (12), revela que em um universo de 500 casas submetidas a testes nas imediações da antiga fábrica de Vernon, no subúrbio industrial de Los Angeles, 492 apresentam níveis de chumbo anormais no solo.

Em 45 dessas habitações, cerca de 9%, há níveis de chumbo considerados equivalentes aos dos resíduos tóxicos perigosos, diz o relatório.

O Departamento de Saúde Pública constatou também que aproximadamente 3,6% das crianças com idade até 6 anos, que vivem a menos de 1,6 quilômetro da antiga fábrica, têm taxas de chumbo de 4,5 microgramas ou mais por litro de sangue, níveis que para as autoridades californianas requerem medidas de saúde pública.

Os testes foram feitos após queixas dos moradores, que denunciaram a lentidão na adoção de medidas por parte do estado da Califórnia.

O solo das casas contaminadas deve ser limpo pelas autoridades de saúde.

Os testes vão continuar “nas 10 mil propriedades afetadas da região”, segundo relatório, citado pela agência de notícias FRance Presse.

O governador da Califórnia, Jerry Brown, propôs repassar US$ 176,6 milhões este ano para a limpeza das habitações contaminadas, um orçamento que deve ser aprovado pelo Parlamento.

O escândalo em Vernon, cuja fábrica de reciclagem de pilhas foi fechada há um ano, surge em meio a outro, também de contaminação por chumbo, que alcançou repercussão nacional, em Flint, antiga cidade industrial em Michigan, no Norte dos Estados Unidos.

Estudo do jornal USA Today, publicado há um mês e meio, mostra que aproximadamente 6 milhões de norte-americanos bebem ou vivem com água contaminada por chumbo nas suas casas ou nas escolas.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir