Economia

Consumo de medicamentos genéricos ainda é baixo em Manaus

média mensal de consumo em algumas drogarias da cidade varia entre 26% e 28%, ainda que o custo dos genéricos seja de até 75% mais barato em comparação com os de marca – foto: arquivo/ABr

média mensal de consumo em algumas drogarias da cidade varia entre 26% e 28%, ainda que o custo dos genéricos seja de até 75% mais barato em comparação com os de marca – foto: arquivo/ABr

Mesmo após 17 anos do seu lançamento no mercado farmacêutico de todo o país, os consumidores amazonenses ainda mantêm uma baixa média de consumo de medicamentos genéricos em relação aos de marca. A média mensal de consumo em algumas drogarias da cidade varia entre 26% e 28%, ainda que o custo dos genéricos seja de até 75% mais barato em comparação com os de marca.

Conforme estudo da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos, a PróGenéricos, o volume de vendas no país foi ampliado em 343% neste período. O mercado passou de 1.012 bilhão de unidades comercializadas no acumulado dos doze meses em 1999 para 3.477 bilhões (acumulado 12 meses) até abril deste ano.

“Ainda é bem pouco em relação aos demais. Em relação ao preço, existem genéricos que chegam a custar 75% a menos que os das grandes marcas. Então, vale a pena consumir, pois além do custo menor, ele tem o mesmo efeito”, afirmou a gente da drogaria Santo Remédio, Joelma Lopes da Cruz, localizada na avenida Boulevard.

Segundo a gerente, o mercado desse tipo de medicamentos tem crescido nos últimos anos. “Tivemos uma evolução muito grande nas vendas dos genéricos. Tanto é que ele tem a mesma fórmula do que as das grandes marcas de medicamentos, e a tendência é que eles evoluam ainda mais. Além de compra com um custo mais reduzido, ele faz o mesmo efeito”, afirmou.

Conforme Joelma, os remédios mais procurados são os de uso contínuo, geralmente usados por idosos, como os hipertensivos, e para o controle de colesterol. “Temos muitos clientes que já assimilaram a cultura dos genéricos. Eles mesmos já chegam perguntando. Futuramente, os medicamentos começam a perder a patente, então, a tendência é que os genéricos comecem a ganhar a fatia desse mercado no país”, observou.

O aposentado, Luiz Cláudio Vieira, 67, que toma remédio para hipertensão, disse que gasta um média de R$ 300 ao mês com medicamentos. Ele avalia que poderia gastar ainda mais caso não optasse pelos medicamentos genéricos. “Eu não sei o que seria de mim se não fosse esses remédios mais em conta. Hoje em dia tudo sobe, a água, a inflação alta, então o que a gente economiza já é grande coisa. Para um aposentado que gasta de R$ 200 a R$ 300 em remédios, qualquer economia é importante no final do mês”, avaliou.

Por Stênio Urbano e assessorias

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir