Economia

Construção civil e mercado imobiliário discutem o futuro urbano de Manaus

O candidato a reeleição, Arthur Neto (PSDB), esteve presente e destacou alguns projetos da sua campanha - foto Márcio Melo

O candidato a reeleição, Arthur Neto (PSDB), esteve presente e destacou alguns projetos da sua campanha – foto Márcio Melo

O evento intitulado ‘O Futuro da Minha Cidade’ reuniu representantes de setores da economia local, de empresas, da sociedade civil organizada e do poder público, na noite desta quinta-feira (6), para discutir modelos de trabalho voltados para a implantação de programas de planejamento e desenvolvimento sustentável urbano. O encontro aconteceu no auditório da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), localizado na avenida Joaquim Nabuco, no Centro de Manaus.

O encontro foi idealizado pela Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Amazonas (Ademi-AM) e do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon-AM), com parceria da Câmara Brasileira da Indústria e Construção (CBIC) e apoio do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Amazonas (CREA-AM) e da Fieam.

Em três horas e meia de debate e explanação sobre os projetos de mobilidade urbana e gestão da cidade humanizada, os representantes elencaram propostas com soluções para o desenvolvimento de Manaus que visam driblar as dificuldades gerais com políticas públicas aliadas a melhoria da qualidade de vida da população. Identificando, principalmente, potenciais que geram negócios e desenvolvimento para os principais setores econômicos da região.

De acordo com o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon-AM), Frank do Carmo Souza, o evento trouxe como proposta inicial, o primeiro de três passos importantes para a implantação do projeto inspirado nos modelos das cidades de Maringá e Goiânia. O primeiro passo foi a criação do ‘Conselho de Desenvolvimento da Cidade’ que vai propor um modelo de trabalho voltado para o planejamento e desenvolvimento sustentável com a participação voluntária de qualquer setor e sociedade civil organizada sem ligação com partidos políticos.

“Esse é um projeto de planejamento estratégico a longo prazo que define metas específicas da cidade, comtemplando a parte econômica, social e sustentável. Nele, nós criamos o conceito de uma cidade melhor para se viver. O objetivo é criar um conselho com a parceria pública e privada, com a sociedade, com uma formação jurídica para a participação de todos. Vamos levar para o prefeito eleito essa proposta, para que ele seja parceiro efetivo. Para que ele assine e se comprometa a desenvolver junto com a gente uma Manaus planejada. A gente sente muito a falta de definição do poder público em relação as áreas que nós poderíamos implantar uma área de habitação de interesse social, por exemplo, ou uma área de indústria”, disse ele antes do início do evento.

Os dois candidatos a prefeito de Manaus, que disputam o segundo turno no próximo dia 30, foram convidados. Marcelo Ramos (PR) não compareceu ao evento e alegou um compromisso de campanha. O candidato a reeleição, Arthur Neto (PSDB), esteve presente e destacou alguns projetos da sua campanha.

“Eu falo num conjunto de fatores que começam a mostrar uma Manaus do futuro. Eu diria que nós temos que reorganizar o espaço urbano, a gente percebe uma enorme dificuldade de políticos no geral de enfrentarem essa questão. A mobilidade urbana é algo muito sério. Nós temos que transplantar esse sistema esgotado de ônibus tradicionais e das vias tradicionais. Vamos preparar a cidade com mais vias para receber o BRT. Vamos fazer mais estações e bastantes terminais, além de quatro estações intermediárias. Viadutos, assim como as passagens de nível. Mas isso não depende do minguado dinheiro da prefeitura, mas sim de investimento internacional, parceria público privada e financiamento do governo federal. Nós entendemos que são desafios muito importantes e nós temos que dar uma fisionomia nova para paisagem urbana e também para a mobilidade urbana. Esses são os nossos calcanhares de Aquiles”, disse o prefeito ao portal EM TEMPO.

Entre os convidados estava a arquiteta urbanista, Laura Sobral, a ex-diretora executiva do Conselho de Maringá, Márcia Santin, e o presidente da Ademi – GO, que preside o Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Goiânia (Codese), Renato de Sousa Correia.

evento-fieam-marcio-melo

Os representantes elencaram propostas com soluções para o desenvolvimento de Manaus – foto Márcio Melo

Para Correia, a capital amazonense precisa enfrentar muitos desafios e etapas para chegar ao modelo ideal de sustentabilidade urbana. Entretanto, as mudanças precisam ser feitas imediatamente, para que em 20 anos Manaus tenha os resultados esperados.

“Esse é um projeto a longo prazo que visa repensar uma nova cidade para sociedade, trazendo renda, educação e saúde para as pessoas. Somos interessados no desenvolvimento das cidades e estamos replicando o modelo iniciado em Maringá. Fazemos a criação do conselho e depois o planejamento para que o índice de Desenvolvimento Humano (IDH) obtenha melhores resultados e que Manaus se torne uma das dez cidades melhores para se viver”, relatou Correia ao citar a gestão pública eficiente como principal desafio a ser enfrentado para implantação do projeto.

Bruna Souza

EM TEMPO online

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir