Política

Conselho do Ministério Público nega pedido de Lula contra procurador da Lava Jato

O Conselho Nacional do Ministério Público negou pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para afastar o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da força-tarefa da Lava jato, das investigações contra o petista e seus familiares.

O conselho entendeu que não tem atribuição para analisar os questionamentos feitos pelos advogados e decidiu enviar o caso para a Corregedoria Nacional do Ministério Público avaliar se abre ou não algum tipo de procedimento para investigar a conduta do procurador.

Os advogados acusam o procurador de agir com parcialidade e antecipar juízo sobre as apurações envolvendo Lula e seus familiares sem ter nenhum fato concreto para imputá-lo como culpado.

Segundo os defensores, Lima teria afrontado o princípio da presunção da inocência e sigilo de Justiça, além de ter revelado um anseio pessoal em envolver indevidamente o ex-presidente na Lava Jato.

A defesa utiliza como base do pedido entrevista concedidas por Lima e apontam que ele tratou de questões sobre investigação sigilosa e que atualmente está sob os cuidados do Supremo Tribunal Federal.

Na sessão, os conselheiros julgaram improcedente o pedido de defesa. Relator, o conselheiro Leonardo Henrique de Cavalcante Carvalho não pode substituir os procedimentos adequados para a discussão sobre o afastamento de um procurador. Ele defendeu ainda que impedir integrantes do MP de concederem entrevista representa uma interferência na atuação do procurador.

Para Walter de Agra Júnior, impedir a manifestação de procuradores pode representar uma “lei da mordaça”.

Segundo Fábio Bastos Stica, o conselho precisa discutir uma recomendação para as manifestações dos procuradores.

Subchefe de assuntos jurídicos da Casa Civil do governo Temer, Gustavo do Vale Rocha, também votou contra o pedido de Lula. Ele é indicado do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e continua acumulando a função no governo com a vaga no conselho.

No julgamento, os defensores disseram que Lima cometeu irregularidade porque as investigações de Lula estão em segredo. Segundo o advogado Cristiano Zanin Martins, ele extrapolou ainda ao apontar a prática de crime que não existe, sendo que não recebeu punição da Justiça. “O ‘trial by media’ deve ser superado”, afirmou.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir