Economia

Confiança do Comércio tem menor nível desde 2010, aponta FGV

Confiança do Comércio cai 1% em julho e tem menor índice desde 2010 – foto: Marcelo Camargo/ABr

Confiança do Comércio cai 1% em julho e tem menor índice desde 2010 – foto: Marcelo Camargo/ABr

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) recuou 1% em julho deste ano, em comparação a junho, atingindo 89,8 pontos, o menor índice da série histórica iniciada em março de 2010 (livre de influências sazonais). O ajuste sazonal ocorre quando os técnicos descontam o aumento ou diminuição das vendas de produtos em feriados ou datas comemorativas.

Os dados constam da Sondagem do Comércio, indicador divulgado nesta sexta-feira (24), pela Fundação Getulio Vargas (FGV). A queda em julho é resultado da menor expectativa em relação aos próximos meses, uma vez que o Índice de Expectativas (IE-COM) – um dos componentes do Icom – chegou a cair 4,6%, influenciado pela redução do fator que mede o grau de otimismo dos empresários sobre a evolução da situação nos seis meses seguintes.

O Icom tem uma média histórica de 122,2 pontos. Quanto mais baixa for a pontuação em relação à média histórica, pior é a avaliação que as empresas fazem da situação dos negócios do momento e das expectativas em relação ao comércio no futuro. A pesquisa abrangeu todos os segmentos do comércio do país. O indicador engloba tanto os varejistas quanto atacadistas.

Segundo consultor da FGV, Silvio Sales, não há sinalização – nos dados apresentados – de que o cenário irá melhorar nos próximos meses. “De modo geral, os indicadores se mantêm em patamar historicamente baixo e as expectativas prosseguem piorando, em linha com o contexto de redução no nível de emprego e desaceleração do consumo doméstico”, disse.

O levantamento da FGV indica que o Índice da Situação Atual (ISA-COM), que retrata o grau de satisfação com a demanda, avançou 6,3%, atingindo 64,4 pontos em julho. A melhora deste indicador, no entanto, não foi generalizada.

No mais tradicional conceito de varejo restrito, o ISA-COM recuou 1%. No que a FGV define como “conceito de varejo ampliado”, que inclui automóveis e material de construção, também houve queda, de 0,5%.

O único grande segmento a registrar melhora na percepção sobre a situação atual dos negócios foi o atacado. Neste caso, houve alta de 14,8%, resultado que sucede duas quedas: 7,3% em maio e 7,2% em junho.

A edição de julho de 2015 coletou informações de 1.209 empresas entre os dias 1º e 21 deste mês. A próxima divulgação da Sondagem do Comércio ocorrerá em 31 de agosto.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir