Esportes

Confederação de Futebol divulga contraprova de doping de jogador brasileiro

Em qualquer caso de confirmação, o atleta é suspenso, preventivamente, por 30 dias para preparar a defesa - foto: divulgação /CBF

Em qualquer caso de confirmação, o atleta é suspenso, preventivamente, por 30 dias para preparar a defesa – foto: divulgação /CBF

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) vai divulgar nesta terça-feira (28) o resultado da contraprova do exame antidoping de um jogador que atuou pela Seleção Brasileira durante a Copa América do Chile. O anúncio será feito pela Conmebol, gestora da competição. O doping, por uso de uma substância diurética, foi apontado pelo laboratório Codeportes da Colômbia, responsável por todos os exames da Copa América e acreditado na Agência Mundial Antidoping (World Anti-Doping Agency – Wada, na sigla em inglês).

O médico que está em Los Angeles, nos Estados Unidos, deu entrevista, por telefone, à Agência Brasil. Ele explicou que, conforme o regulamento, após ser notificado, o atleta flagrado em antidoping tem doze horas para pedir ou não a contraprova. “A contraprova é muito fechada e sigilosa. O programa é muito cuidadoso e aí se faz o exame novamente. A contraprova é o exame do frasco B que já está guardado com a mesma urina daquele jogo. O frasco B é obrigado a ficar guardado por dez anos no laboratório.”

Fernando Solera explicou que como a contraprova ainda não foi aberta, todo e qualquer comentário ou observação, sobre o assunto é prematura e proibida. “Eu sempre sigo o regulamento e a gente deve respeitar todas as etapas do regulamento. Vai ser feita a contraprova de uma amostra de um jogador brasileiro. Será aberta a contraprova de um jogador X que participou da Copa América.”

O médico informou ainda que em qualquer caso de atleta flagrado em exame , o clube não tem participação, a menos que tenha fornecido a substância proibida. “A Fifa interpreta qualquer resultado positivo como uma atividade física e não jurídica, salvo, se tiver mais de dois resultados positivos em uma mesma equipe.”

Em qualquer caso de confirmação, o atleta é suspenso, preventivamente, por 30 dias para preparar a defesa e explicar porque apareceu uma substância proibida na urina dele. Depois dessa etapa vai a julgamento na corte selecionada, onde o torneio foi disputado.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir