Dia a dia

Concursados em Iranduba reclamam que podem ser exonerados por irregularidade em concurso

Pelo menos 400 candidatos correm o risco de serem exonerados em Iranduba – Divulgação

Concursados da Secretaria de Educação do município de Iranduba (distante 27 km de Manaus) denunciam que estão correndo o risco de serem exonerados devido à irregularidades no certame. Além disso, os professores reclamam que o advogado do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) não quer representá-los.

De acordo com uma das concursadas, que preferiu não se identificar, o caso envolve os três últimos concursos, mas que os servidores estão sem orientação de como proceder, pois nem a prefeitura e nem a Secretaria de Educação, deram as informações sobre a possível exoneração. As supostas irregularidades estão relacionadas à falta de formação qualificada, convocação fora da ordem classificatória e do tempo vigente, dentre outras.

“Já ocorreu esse mesmo problema com os concursados de 2004. Assim, como os de 2008. O concurso passou a ser questionado nas vésperas da eleição. Na época o ex-prefeito Nonato Lopes assumiu a nossa causa e disse que iria resolver tudo. Como ele e a presidente do sindicato não ganharam as eleições, começou de novo a ladainha. E, agora, os [concursados] de 2011 correm o mesmo risco”, disse.

Ainda conforme a denunciante, o advogado do sindicato não quer responder por eles.

“A orientação do sindicato é que os associados paguem para um advogado resolver a questão. São, aproximadamente, 400 concursados. O que daria R$ 160 mil pelo valor que estão nos cobrando individualmente”, informou.

O prefeito de Iranduba, Francisco Gomes da Silva, o Chico Doido, afirma que o problema com o concurso é resultado da gestão anterior.

“Estou preocupado com a questão das aulas. Se o concurso for realmente cancelado, vai ser um caos na educação. Nós já estamos trabalhando para resolver a situação”, falou o prefeito, sem querer dar detalhes de como o órgão está agindo para que os alunos não fique, de fato, prejudicados.

A delegada sindical do município, Marcília Pizzano, explicou não houve recusa da advogada do sindicato em atender os associados, mas uma orientação que eles continuassem com o antigo representante, que já é responsável por um processo coletivo junto com os concursados de 2008.

“O sindicato ficou um tempo sem advogado. Por isso, procuramos o, então prefeito do município, Nonato Lopes e o advogado Juarez Frazão Rodrigues que ficou responsável pelo pedido de recurso de revisão do concurso. O problema não é de hoje, já faz quase 7 anos. E, ontem, a prefeitura já foi notificada sobre o concurso de 2011”, disse.

Marcília ainda informou que no próximo sábado (11), haverá uma reunião entre o advogado e os concursados para negociarem os valores da defesa, que deverá ser um processo para cada um.

Manoela Moura
EM TEMPO

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top