Política

Comissões discutem problemas e perspectivas da agricultura no Amazonas

O objetivo da audiência é debater questões do setor, buscando ações e estratégias para contribuir para a melhoria do setor primário - divulgação: Aleam

O objetivo da audiência é debater questões do setor, buscando ações e estratégias para contribuir para a melhoria do setor primário – divulgação: Aleam

As Comissões de Agricultura, Pecuária, Pesca, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPPADR) e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável (Caama) da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) realizaram em conjunto na manhã desta sexta-feira (14), no Miniplenário Cônego Azevedo, uma Audiência Pública para debater os problemas na agricultura no Amazonas.

O objetivo da audiência é debater questões do setor, buscando ações e estratégias para contribuir para a melhoria do setor primário. O deputado estadual Dermilson Chagas (PDT) destacou alguns avanços no setor, mas não deixou de citar os desafios enfrentados pelos trabalhadores rurais. “Todos os esforços estão sendo feitos, já temos alguns diálogos para tratar de investimentos e créditos junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e com o Governo do Estado. No entanto, ainda existe o entrave do escoamento, o baixo percentual destinado ao setor primário — que é de apenas 0,8% —, e o precário fornecimento da energia elétrica, por exemplo”, enumerou.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Amazonas (Faea), Muni Lourenço destacou alguns desafios do setor primário, citando que “a regularização fundiária e a falta de títulos de terra são desestímulos para os trabalhadores, assim como a falta de assistência técnica e a logística precária”.

Da mesma forma, Lúcia Incácio, diretora da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Amazonas (Fetagri), relatou a falta de assistência técnica aos agricultores. “O acesso à terra é difícil, o incentivo à venda é pequeno, pois o feirão da Sepror está se acabando aos poucos e não temos técnicos suficientes para orientar os trabalhadores. A proporção é de um técnico para cada seis mil famílias”, afirmou, acrescentando que atualmente existem 270 mil agricultores familiares no Amazonas.

Participaram ainda da Audiência Pública representantes do Ministério do Desenvolvimento Agrário no Amazonas (MDA), Procuradoria Geral do Estado no Amazonas (PGE-AM), Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (IDAM), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Com informações da assessoria de comunicação

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir