Dia a dia

Comércio ilegal é fechado no Centro e Parque Dez

Os equipamentos ocupavam o passeio público de forma ilegal e estavam obstruindo a passagem de pedestres - foto: divulgação/ Semtef

Os equipamentos ocupavam o passeio público de forma ilegal e estavam obstruindo a passagem de pedestres – foto: divulgação/ Semtef

Cadeiras, mesas, bancos, carrinhos de mão, caixas de isopor e uma grande quantidade de frutas foram retirados nesta quinta-feira (18), da rua Epaminondas, Centro Histórico, e avenida Perimetral, no  Parque Dez, Zona Centro-Sul, pela equipe de fiscais da Secretaria Municipal do Trabalho, Empreendedorismo, Abastecimento, Feiras e Mercados (Semtef).

Os equipamentos ocupavam o passeio público de forma ilegal e estavam obstruindo a passagem de pedestres. “A permanência desse tipo de atividade não é autorizada pela Prefeitura de Manaus nesses locais, conforme determina a Lei Municipal nº 05/2014”, lembrou a chefe do Departamento de Comércio Informal (Decin), Ewanúbia Ribeiro.

A ação atendeu as reclamações da população registradas no início da semana por meio do Disque Denúncia, no número 3663-8488, que funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Nos primeiros cinco meses deste ano, a Semtef já retirou de circulação das ruas do Centro e nos bairros da cidade mais de dez toneladas de produtos de origem duvidosa, manipulados sem higiene, como guloseimas e bebidas.

Os produtos foram retirados da rua Epaminondas, ao lado dos colégios Dom Bosco e Militar, onde a lei também proíbe esse tipo de atividade informal. No local, nesta quinta-feira, 18, foi apreendido um carrinho que preparava e vendia suco de laranja e estava obstruindo a via pública. No Parque Dez, foram retirados bancos, cadeiras, caixas, sacos de laranjas, banana e outras mercadorias irregulares.

Ewanúbia Ribeiro informou que todo o material confiscado foi transportado para a sede da Semtef (rua Carvalho Paes de Andrade nº 140, bairro São Francisco, zona Centro-Sul). Os vendedores que tiveram seus pertences apreendidos têm o prazo de cinco dias úteis para resgatá-los. Frutas e outros perecíveis são doados a instituições que cuidam de crianças e idosos.

Com informações da assessoria de comunicação

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir